Carol Reis/Divulgação
Carol Reis/Divulgação

Guiomar de Grammont deixa o Grupo Record

Carlos Andreazza, editor de não ficção, passa a cuidar também dos ficcionistas brasileiros do catálogo do maior grupo editorial do País

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2013 | 17h19

Depois de um ano e meio como editora de literatura brasileira da Record, o maior grupo editorial do País, Guiomar de Grammont deixa, em janeiro, o cargo para se dedicar a outros projetos. O jornalista Carlos Andreazza, editor de não ficção do grupo, cuidará, também, dos ficcionistas brasileiros. Será a primeira experiência do editor de 33 anos - ele está há 10 anos de mercado editorial - à frente de um selo de ficção.

“Estou mergulhado no catálogo, fazendo estudos dos livros que estão contratados e dos que estão em produção. Quero me apresentar aos autores que ainda não conheço e dar muita atenção aos escritores clássicos da casa, como o Graciliano Ramos”, conta. A preocupação é justa; a Record perdeu nos últimos anos nomes como Carlos Drummond de Andrade e Jorge Amado. Jovens autores também estão na mira do editor. “A Record sempre apostou no lançamento de escritores e sou muito atento ao trabalho deles”, diz.

Segundo a Record, a saída de Guiomar de Grammont, decidida agora, foi “de comum acordo”.

Entre seus projetos pessoais está a publicação do romance Na Tua Ausência, que já está sendo oferecido para editoras. “O livro aborda as questões enfrentadas pela família de um guerrilheiro desaparecido, mas na forma de um thriller, com mistério, suspense, erotismo e revelações que vão sendo apresentadas progressivamente. O roteiro se desenvolve a partir da busca e das investigações da jornalista Sara pelo irmão Alexandre, um desaparecido político”, conta. E completa: “É um livro também muito poético, sobre a obsedante presença do ausente.” Em 2014, completam-se 50 anos do golpe militar.

Aliás, a aproximação de Grammont com a Record se deu quando a autora ofereceu o romance para que ela o editasse. Isso coincidiu com a saída de Luciana Villas-Boas, diretora editorial por 17 anos. Os departamentos foram então reestruturados e Grammont ficou sem o lançamento de seu livro, mas ganhou a incumbêmcia de cuidar do catálogo de ficção brasileira.

“Quero voltar a escrever e me dedicar de corpo e alma à divulgação dos livros que pretendo publicar em 2014. Tenho enorme carinho e respeito pelos autores do meu catálogo e não quero me sentir dividida entre o cuidado com as obras deles e os lançamentos dos meus livros”, comenta.

Outro livro pronto, à espera de editora, é Aeroportos, com um único, e longo, poema. Além disso, ela escreve, com a diretora italiana Alessandra Vannucci, que dirigiu a peça A Descoberta das Américas, uma adaptação do Diário da Prisão, obra de Judith Malina, do Living Theater. Idealizadora e curadora do Fórum das Letras, de Ouro Preto, que teve uma edição especial em Lisboa, Guiomar também pretende criar novos eventos literários - no exterior, inclusive.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.