Guinsburg é homenageado por contribuição ao teatro

Com 40 minutos de atraso, por causa do forte temporal que caiu sobre a capital anteontem, teve início a 21ª edição do Prêmio Shell de Teatro, na Estação São Paulo, em Pinheiros. Apresentada pela atriz Beth Goulart, que ganhou o troféu em 2001 por sua atuação em Decadência, a premiação transcorreu de forma sucinta, sem dar tempo para quaisquer gafes. A homenagem deste ano foi dedicada a Jacó Guinsburg, "pela contribuição ao pensamento crítico do teatro no Brasil", além de ser o responsável pela formação de muitos dos artistas que se encontravam ali.

AE, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 09h14

Aos 87 anos e com alguma dificuldade para se locomover, arrancou aplausos ao dedicar o prêmio à Guita, "minha companheira de vida", e a Sábato Magaldi, Anatol Rosenfeld, Décio de Almeida Prado e Maria Teresa Vargas. "Foram pessoas que tiveram na minha vida um papel de muita importância", afirmou humildemente o professor da Universidade de São Paulo.

Assim como ocorreu no último dia 11 no Rio, a premiação, que concede um troféu em forma de concha e é esculpido em metal pelo artista plástico Domenico Calabroni, além de R$ 8 mil para cada vencedor, foi dividida em nove categorias: autor, cenário, figurino, iluminação, música, categoria especial, diretor, ator e atriz. Isabel Teixeira, que concorreu com Cácia Goulart (por Bartleby), Paula Arruda (O Céu 5 Minutos Antes da Tempestade) e Denise Fraga (A Alma Boa de Setsuan), venceu na categoria de melhor atriz por sua atuação em Rainha(s) - Duas Atrizes em Busca de um Coração.

Na categoria de melhor ator, o júri, formado por Kil Abreu, Valmir Santos, Marici Salomão, Mario Bolognesi e Noemi Marinho, entendeu que dois profissionais deveriam ser premiados, excepcionalmente, pela complementação e impossibilidade de dissociar o trabalho de ambos. Domingos Montagner e Fernando Sampaio, que não puderam comparecer ao evento por estarem viajando, foram premiados por A Noite dos Palhaços Mudos. O diretor Álvaro Assad recebeu o prêmio no lugar da dupla. Confira os demais premiados:

Diretor: Marco Antônio Braz, por A Alma Boa de Setsuan;

Autor: Marçal Aquino e Marília Toledo, por Amor de Servidão;

Cenário: Renato Bolelli Rebouças, por Arrufos;

Figurino: Silvana Marcondes, Fernando Sato e Júlio Dojcsar, por O Santo Guerreiro e o Herói Desajustado;

Iluminação: Felipe Cosse e Juliano Coelho, por Aqueles Dois;

Música: Josimar Carneiro, pela direção musical de Divina Elizabeth;

Categoria Especial: Centro de Pesquisa Teatral (CPT) do Sesc, pelos 10 anos do projeto prêt-à-porter. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
teatroprêmioJacó Guinsburg

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.