Guia para refletir sobre uma era

Traduzido pela primeira vez no Brasil, projeto final de György Lukács reexamina o pensamento de Marx

Fausto Penteado, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2011 | 00h00

A amplitude de pensamento e a clarividência dos grandes gênios faz com que eles já "nasçam póstumos". Desta forma, raramente são reconhecidos e, sobretudo, compreendidos em vida. Quando não raro, suas ideias são apropriadas e incorporadas aos discursos tirânicos dos mais variados matizes, servindo a formas de governo despóticas e repressivas (sobretudo, quanto à liberdade de expressão), ainda que, por ironia, em geral elas se autodenominem "populares".

Mas, afinal, o que Karl Marx, Friedrich Nietzsche e Wilhelm Reich teriam em comum, além da nacionalidade próxima? É sabido que todos esses grandes homens tiveram a originalidade de seu pensamento expropriada, adulterada, para servir a objetivos totalmente contrários àqueles que eles pregavam originariamente.

Reich, o "pai da revolução sexual", jamais pregou a libertinagem tresloucada. Apenas lutou para a libertação do ser humano de sua doença afetiva, onde o ápice da cura resultaria numa sexualidade plena e saudável. Nietzsche, por sua vez, foi completamente adulterado (com a insidiosa colaboração de sua irmã), servindo assim de garoto-propaganda do nazi-fascismo. Ele que sempre pregou a liberdade de pensamento e sempre rendeu homenagens à vida. E, por fim, Karl Marx, este laborioso filósofo, que embora tenha lutado para eliminar a "escravidão" dos trabalhadores de sua época, tem servido de bandeira tremulante quando nas mãos de forças despóticas, que jamais chegaram perto da segunda etapa da revolução comunista (onde o estado desapareceria e os cidadãos viveriam harmonicamente).

É nesse contexto político-filosófico que se insere o filósofo György Lukács, nascido na Hungria (1885-1971). Doutor pela Universidade de Budapeste, sua obra Prolegômenos Para Uma Ontologia do Ser Social foi publicada recentemente pela Boitempo Editorial. Uma obra que é uma espécie de livro testamento, em que o autor exibe sua profunda erudição ao procurar corrigir pontos obscuros no pensamento de Kant, Hegel e outros que servem de base para a compreensão do marxismo.

Comumente se tem associado a derrocada do Leste Europeu a um declínio do marxismo. Mas talvez o tempo venha nos mostrar justamente o contrário. Afinal, Marx e o marxismo são coisas distintas, é o que a história, em parte, nos revelou, e também agora o livro de Lukács (que deseja dissociar Marx da ideia de um determinismo econômico absoluto). Enfim, não é preciso temer Marx. É preciso, primeiro, compreendê-lo de fato e, sobretudo, historicamente. Ele, que viu crianças sendo exploradas com seus delicados dedinhos trançados em teares, jamais deixou de buscar uma forma de neutralizar a exploração capitalista. Mas o mesmo pode estar se repetindo em algum remoto rincão do planeta, quase dois séculos após seu testemunho, e isso graças à distorção do seu pensamento ou quiçá devido a uma fatídica impossibilidade do ser humano em renunciar ao poder e devolvê-lo à sociedade.

Seja como for, um antigo ditado afirma que a força bruta a tudo conquista, porém sua duração é breve. Isso pode nos fazer pensar se a via de transformação não violenta seria mesmo tão utópica assim ou, então, se o que está no fundo de tudo é uma espécie enraizada de letargia humana, que independente dos sistemas sempre termina por repetir os mesmos padrões de existência.

Quando Lukács aborda a questão do ser, em clara oposição aos "herdeiros espirituais dos métodos stalinistas", ele estabelece um eixo referencial de suma importância, que diferencia a reflexão profunda em marcante oposição "aos planos grosseiramente manipuladores" e às "disposições táticas".

De fato, estamos diante de uma obra de grande densidade conceitual que aborda o desenvolvimento de um dos temas mais complexos da filosofia - a questão do ser. Uma querela que já remonta à Grécia Antiga, na eterna oposição entre Demócrito, que defendia a trajetória linear dos átomos, implicando um determinismo absoluto, Epicuro que introduziu o clinâmen, inserindo um elemento de caos no determinismo anterior, e Heráclito que acreditava no devir, ou seja, que o ser é um processo, estando sempre em vias de se fazer.

O que adensa ainda mais a questão, é que em sua obra, Lukács traz a complexidade dessa abordagem para a esfera do humano, introduzindo a questão do ser social. Ora, se a temática grega ainda se mantém atual, Lukács adiciona ainda mais elementos à discussão, expandindo o estudo a diversos campos do conhecimento, exigindo grande fôlego ao leitor, que se depara com sua diferenciação qualitativa dos "três importantes tipos de ser (natureza inorgânica, natureza orgânica e a sociedade)". Em poucas palavras: o ser social é ontológico, é real, está inscrito no homem tanto quanto a sua natureza biológica - eis a tese exposta por Lukács.

Enfim, mais importante que o objeto do estudo, é o movimento do olhar, que se direciona agora ao próprio ser: "O homem é, no sentido mais literal, não um animal social, mas um animal que pode isolar-se apenas em sociedade".

PROLEGÔMENOS PARA UMA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL

Autor: György Lukács

Tradução: Rodnei Nascimento e Lya Luft

Editora: Boitempo

(416 págs., R$ 58)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.