Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Guia dos shoppings: sacolas e ideias

O Estado de S. Paulo

30 de abril de 2009 | 12h01

SÃO PAULO - A missão foi comunicada na tarde do dia 2 de abril. Era uma quinta-feira e três mulheres sentadas em torno de uma mesa redonda aguardavam as instruções, que seriam passadas pela chefe. A tarefa não era fácil. Era preciso visitar 50 shoppings em um período de uma semana. Em cada um deles, deveria ser cumprido o mesmo roteiro. Estacionamento, banheiros, praça de alimentação, corredores, escada de emergência e alameda de serviços. Tudo deveria ser meticulosamente avaliado e anotado. Após 75 horas dentro de shoppings, elas retornaram à redação. Com algumas sacolas e com muitas informações.

 

Fui a única que passou ilesa por 22 shoppings: não comprei nada. Mas não voltei para casa de mão vazia. Hoje eu tenho amostras de papel higiênico de todos os shoppings que visitei. Além de pesadelos com a escada de emergência do Boa Vista - e com as longas caminhadas em busca de fraldários escondidos.

- Rachel Costa

 

Não resisti a um rímel. E, como uma coisa leva a outra, fui convencida a levar o jogo de sombra para os olhos. Todo mundo tem o seu ponto fraco e o de uma mulher com certeza está em um shopping. É muita coisa para ver, perguntar o preço. Um dia, a gente se rende. Eu me rendi no último!

- Carolina Stanisci

 

Achei que seria fácil ir a 23 shoppings. Toda semana eu estava em algum. No primeiro dia, o ar-condicionado trouxe a gripe. Nos seguintes, voltei com quatro pares de brincos e uma bola do Corinthians (para o sobrinho). Agora, não quero voltar por um bom tempo. Mas não vai ser fácil. Ali tem quase tudo, não é?

- Thaís Pinheiro

Tudo o que sabemos sobre:
Guia dos Shoppings

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.