Guggenheim pode nunca ter museu no Rio, diz diretor

O diretor da Fundação Solomon Guggenheim, Thomas Krens, diz que o projeto de o Rio de Janeiro se tornar a primeira cidade da América Latina a ter um museu da instituição pode demorar anos e nunca ser concretizado. Krens, que está em Roma participando de uma exposição com as obras do museu, afirmou que está sendo feito um estudo de viabilidade de um museu Guggenheim em Guadalajara, no México. Caso a proposta vá para a frente, seria improvável manter o projeto do Rio de Janeiro. "Sempre deixamos clara nossa intenção de ter uma presença muito forte do Guggenheim na América Latina", diz Krens. "Nós não costumamos abandonar projetos, mas não estamos aguardando resolver a situação do Rio para concretizar isso". O acordo entre a fundação americana e a prefeitura do Rio para a criação do museu foi assinado em abril de 2003 e suspenso um mês depois. Uma sentença judicial considerou o negócio inconstitucional e prejudicial aos cofres da cidade. Entre os opositores, encontram-se políticos, artistas e arquitetos, que consideram o projeto inadequado para a realidade da cidade, que precisaria investir pelo menos US$ 130 milhões para construir o museu Guggenheim. Segundo Krens, com a reeleição em outubro passado, o prefeito César Maia assegurou novamente que a construção do Guggenheim do Rio de Janeiro seria uma das prioridades de sua gestão. Mas o diretor está pessimista. Ele diz saber como podem demorar as decisões da Justiça brasileira. Fora dos Estados Unidos, o museu de Nova York tem filiais em Berlim (Alemanha), Bilbao (Espanha) e Veneza (Itália).Segundo o diretor da fundação Guggenheim, o projeto inicial desenvolvido pelo arquiteto francês Jean Nouvel teve problemas sérios de engenharia, pois seria uma construção parcialmente submersa no mar, muito complicada e cara demais. Agora, ele fala em um projeto mais modesto, do ponto de vista de engenharia e custos, que o tornaria mais estável, dentro de uma perspectiva política e social.Enquanto não há respostas concretas sobre a criação do museu mexicano e a questão judicial no Rio, Krens diz que são muitas as possibilidades de manter o trabalho do Guggenheim no Brasil. "Podemos ter uma relação com uma instituição que já existe, ou talvez reformar um espaço já existente", afirma o diretor. Segundo Krens, Maia sugeriu que o Guggenheim trabalhasse em colaboração com o Museu de Arte Moderna (MAM), trazendo exposições itinerantes para o Rio de Janeiro. Ele disse que esta possibilidade não está descartada.

Agencia Estado,

03 de março de 2005 | 11h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.