Guggenheim leva "Brasil +500" aos EUA e Espanha

O presidente da Fundação Guggenheim, Thomas Krens, disse hoje que levará aos museus de Nova York e Bilbao (Espanha) 250 peças do módulo Brasil: Corpo e Alma - um dos 13 que compõem a Mostra do Redescobrimento. A passagem pelos museus Guggenheim faz parte do calendário itinerante da exposição que começa a partir de 7 setembro, com o encerramento do evento na capital paulista, e segue até 2002. "Será uma oportunidade de apresentar a cultura brasileira de uma forma nova e profunda", afirmou Krens, durante a apresentação do projeto orçado em US$ 8,5 milhões, pagos pela Fundação Brasil +500. Ele afirmou que as exposições serão diferentes da que está em cartaz no Ibirapuera. "Muitas coisas serão vistas com outro contexto". Antes de embarcar para os EUA, a mostra ainda passará pelas principais capitais brasileiras, a começar pelo Rio de Janeiro, no dia 12 de outubro.Segundo Krens, as exposições em Nova York - de 23 de setembro de 2001 a 20 de janeiro de 2002 - e em Bilbao - prevista para abril de 2002 - também não devem ser iguais, já que muitas vezes "os curadores descobrem que falta alguma coisa e quererem incluir uma ou outra peça". Entre as 250 obras escolhidas, das 15 mil peças que compõe a exposição, a Fundação Guggenheim aproveita a oportunidade para apresentar ao público americano e europeu artistas como Frei Agostinho da Piedade, Francisco Xavier de Brito, Antônio Francisco Lisboa - o Aleijadinho -, Tarsila do Amaral, Cândido Portinari, Vicente do Rego Monteiro, Anita Malfaltti e Lasar Segall. Segundo o presidente da Fundação Brasil +500, Edemar Cid Ferreira, os US$ 8,5 milhões gastos no evento serão recuperados com apoio de patrocionadores. Os dirigentes da associação estão organizando uma nova entidade, a Brazil - U.S. Council, para captação de recursos necessários à realização da Mostra e de outras atividades culturais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.