Guerra de Preminger é aula de estilo

Meu Sócio de Herança

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2010 | 00h00

14H15 NO SBT

(Dog House. Alemanha, 2002. Direção de Hans Werner, com Max Tidof, Nina Franoszek, Nina Gummich.

Idosa deixa sua herança em usufruto para o sobrinho, com a condição de que a mansão não seja vendida nem seu cão de estimação doado. Com a ajuda do totó, o sobrinho vai descobrir um tesouro. Parece diferente dos outros filmes do gênero, em que a dificuldade dos herdeiros, via de regra, é se livrar dos animais de estimação, não se unir a eles. Reprise, colorido, 92 min.

O Galinho Chicken Little

16H05 NA GLOBO

(Chicken Little). EUA, 2005. Direção de Mark Dindal.

A primeira animação computadorizada da Disney desconcertou os críticos porque, a despeito de seus avanços tecnológicos, segue um formato narrativo bastante tradicional. Quando o galinho dá um alarme falso, vira objeto de riso na cidade e ninguém mais lhe dá crédito. E agora ele tem de avisar que os alienígenas estão chegando. Como ganhar credibilidade? Pode ser mera coincidência, mas, há cinco anos, já estava provado que a administração George W. Bush havia manipulado a mídia para obter apoio na Guerra do Iraque. Até que ponto o diretor Dindal levou o fato em consideração? A história deixa a desejar, lá pelas tantas, mas Chicken Little é simpático e existem muitos personagens hilários, como o Peixe Fora d"Água. Reprise, colorido, 81 min.

Hannibal

23H15 NA BANDEIRANTES

(Hannibal). EUA, 2001. Direção de Ridley Scott, com Anthony Hopkins, Julianne Moore, Ray Liotta, Giancarlo Giannini, Gary Oldman.

Ridley Scott foi massacrado pelos críticos e muitos acham que ele perdeu o Oscar de direção, no ano de Gladiador, por causa desta sequência de O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme. Anthony Hopkins volta ao papel do canibal, Julianne Moore substitui Jodie Foster (como a agente Clarice, do FBI) e a história se passa em Florença. Algumas cenas são intoleráveis, como aquela em que Hannibal cozinha - e degusta - o cérebro de Ray Liotta, mas o barroquismo do filme é bem interessante e cresce na TV. Reprise, colorido, 132 min.

Intercine

2H05 NA GLOBO

A emissora exibe o preferido do público entre - Desejo a Três, de Skav One, com Brian White como rapper que vira gigolô para saldar dívidas mas se envolve com garota de programa; e 7 Segundos, de Simon Fellows, com Wesley Snipes como ex-militar de elite, agora ladrão internacional, que luta para resgatar integrantes de sua quadrilha, presos por gângsteres russos durante tentativa de assalto perfeito.

Amanhã

A Globo exibe amanhã, no Intercine, o preferido do público entre dois remakes - O Sacrifício, de Neil Labute, que atualiza O Homem de Palha, de Robin Hardy, de 1973, com Nicolas Cage como detetive que investiga o desaparecimento de uma menina e vai parar em ilha onde a população pratica ritos pagãos (EUA/Alemanha, 2006, fone 0800-70-9011); e Shaft, de John Singleton, nova versão do policial de 1971, o primeiro com um herói negro; Samuel L. Jackson substitui Richard Roundtree, que também está no elenco, mas seu personagem agora é sobrinho do famoso detetive particular; a trama o relaciona ao racista Christian Bale e ao violento traficante Jeffrey Wright (EUA, 2000, fone 0800-70-9012).

TV Paga

Meu Irmão É Filho Único

18H35 NO TELECINE CULT

(Mio Fratello È Figlio Unico). Itália/França, 1973. Direção de Daniele Luchetti, com Elio Germano, Riccardo Scamarccio, Angela Finocchiaro, Massimo Popolizio.

Elio Germano e Riccardo Scamarccio fazem irmãos que crescem numa pequena cidade italiana polarizada por divisões ideológicas, nos anos 1960 e 70. Um comunista, o outro, neofascista, viram inimigos e a rivalidade é acirrada quando se apaixonam pela mesma mulher. De Luchino Visconti (Rocco e Seus Irmãos) a Marco Bellocchio (De Punhos Cerrados), os italianos são mestres em fazer da família a matriz para discutir a sociedade. Um belo filme. Reprise, colorido, 99 min.

A Primeira Vitória

1 H NO TCM

(In Harm"s Way). EUA, 1965. Direção de Otto Preminger, com John Wayne, Kirk Douglas, Patricia Neal, Tom Tryon, Paula Prentiss, Henry Fonda, Brandon de Wilde, Jill Haworth, Dana Andrews, Stanley Holloway, Burges Meredith, Franchot Tone.

O grande Preminger estava no esplendor do seu estilo quando concebeu este vasto afresco sobre a vida em Pearl Harbour. O filme começa com o ataque japonês à base militar, que levou os EUA a entrarem na 2.ª Grande Guerra, e prossegue como uma extraordinária reflexão sobre o embate entre o homem e as instituições, na linha de Exodus (a revolução), Tempestade Sobre Washington (a política) e O Cardeal (a Igreja). John Wayne faz um oficial tão sólido que é conhecido como "Rock" (Rocha). Mas, ao seu lado, todos os demais personagens, e o mundo, estão implodindo. O elenco reúne grandes astros do passado (na época em que foi feito) e o rigor do cineasta se manifesta por meio de elaborados planos-sequências e pelo uso da tela ampla, mas este pode ficar prejudicado na TV. Reprise, preto e branco, 165 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.