John Kane/ Divulgação
John Kane/ Divulgação

Grupos Pilobolus e Kataklò se apresentam em São Paulo

Conhecidas por misturar dança e acrobracias, companhias trazem novos trabalhos

AE, Agência Estado

23 de maio de 2011 | 10h28

Testar os limites dos bailarinos. Abrir mão das técnicas tradicionais da dança para descobrir todas as formas que um corpo humano possa adquirir. Foi assim que a Pilobolus Dance Theatre arrebatou o mundo há exatos 40 anos. Em mais uma passagem pelo Brasil, o grupo chega a São Paulo amanhã.

No palco do Teatro Bradesco, a companhia norte-americana volta a exibir a combinação de dança e atletismo que a consagrou. Uma fórmula que conquistou plateias numerosas e ditou moda, amealhando seguidores mundo afora. Seria a partir da trilha iconoclasta aberta pela Pilobolus, que surgiriam outros grupos de sucesso. Caso do também americano Momix, da brasileira Cia. de Dança Deborah Colker e da italiana Kataklò, que, curiosamente, também passa pela cidade nesta semana. Fundada em 1995, pela coreógrafa Giulia Staccioli, a companhia apresenta-se a partir de hoje no Teatro Alfa.

Campeã olímpica de ginástica rítmica, com passagens pelas Olimpíadas de Los Angeles e Seul, Giulia descobriu a dança ao estudar com Moses Pendleton - coreógrafo fundador do Momix e da Pilobolus. Formada por ex-atletas - muitos deles campeões olímpicos - a Kataklò Atletic Dance Theatre reestrutura os movimentos acrobáticos e trata de colocar os corpos em situações extremas. "Quando trabalho com dançarinos que vêm da ginástica ou dos esportes eles devem estudar dança. E, aí, adquirem um vocabulário maior que o de um bailarino convencional. É esse background que me dá a possibilidade de testar qualquer ideia com eles", diz Giulia, ainda hoje diretora do grupo. Nessa passagem pelo País, o conjunto italiano faz a estreia mundial de "Light", sua nova coreografia.

Metamorphosis - Velha conhecida das plateias paulistanas, a Pilobolus retorna pisando em terreno seguro. No novo espetáculo "Metamorphosis", o grupo mantém o costume de trazer várias coreografias no programa. Cada uma delas de uma fase da trajetória. A peça que abre a apresentação é uma representante da primeira fase da Pilobolus. Criada em 1975, Untiled perpassa relacionamentos entre os sexos e o próprio ciclo da vida, percorrendo do nascimento ao envelhecimento.

Serão encenadas três coreografias que fazem parte da última leva de criações do grupo: The Transformation e Redline, ambas de 2009, e Hapless Hooling in Still Moving, criada em 2010, resultado de uma parceria com o mestre das histórias em quadrinho, Art Spielgeman. Completa o programa Duet, coreografia de 1992 que é uma das preferidas do público. Chegou a ser aposentada, mas voltou ao repertório, aclamada como um clássico da companhia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Kataklò Atletic Dance Theatre - Teatro Alfa (Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo Amaro). Tel. (011) 5693-4000. Hoje, às 21h. R$ 60.

Pilobolus Dance Theatre - Teatro Bradesco (Rua Turiaçu, 2.100). Tel. (011) 3670-4121. Terça e quarta, 21h. R$ 90/ R$ 180.

Tudo o que sabemos sobre:
dançaPilobolusKataklò

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.