Grupo demitido da OSB sonha com nova orquestra sinfônica

Os 36 músicos demitidos da Orquestra Sinfônica Brasileira sonham formar nova orquestra. Ainda não sabem com quantos instrumentistas poderiam contar nem qual nome usariam. "A gente quer o mais rapidamente possível se livrar do rótulo de "demitido". Há 70 anos, a OSB nasceu do sonho de um grupo de músicos, e nada impede que isso volte a acontecer. O que fizemos sábado pode ser o embrião de uma nova orquestra", disse o violinista Luzer Machtyngier ontem.

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2011 | 00h00

Ele se referia ao concerto-protesto realizado na Escola Nacional de Música, da UFRJ, por 71 músicos - 35 de outras orquestras, que se solidarizaram com a situação dos colegas, dispensados pela OSB por se recusarem a se submeter a uma avaliação de desempenho que consideraram humilhante. Há 70 anos, na mesma sala de concertos, foram feitas as audições para os primeiros integrantes da OSB.

A apresentação, antecedida de discursos emocionados e entremeada por momentos de ovação (o público presente, de mais de 600 pessoas, driblou a falta de ar condicionado e até de assentos), foi filmada pela equipe de Silvio Tendler, que fará um documentário sobre a crise na orquestra, desencadeada no início do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.