Grupo de dança homenageia Drummond

No ano do centenário de nascimentodo poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, homenagens pipocampor todos os cantos do País. A companhia 1.º Ato, com sede emBelo Horizonte, não poderia faltar. O grupo apresenta nesta terça-feira e naquarta, no Sesc Vila Mariana, o espetáculo Sem Lugar,de Tuca Pinheiro. A coreografia também marca o aniversário de 20 anos dacompanhia mineira. As raízes do espetáculo começam em 1999. Apósassistir à apresentação da coreografia Beijo... nos Olhos...na Alma... na Carne, também assinada por Pinheiro, o neto dopoeta, Pedro Drummond, convidou a companhia para criar algoespecial para o avô. De acordo com Pinheiro, o convite foi apenas um pretextopara a montagem de um novo trabalho, que dialogasse com apoesia. Após alguns acertos, os trabalhos começaram. Em umprimeiro momento, o coreógrafo não contou aos bailarinos o quepretendia fazer. "Não queria influenciá-los, para que nãocriassem uma moldura e sim tirassem suas conclusões esentimentos próprios", diz. Para isso, lançava temas eobservava as respostas dos dez bailarinos que compõem o elenco. Mais solto e à vontade com o projeto, Pinheiro contouaos bailarinos que o trabalho seria sobre Drummond. Tarefa decasa: estudar. Os intérpretes dedicaram-se e trouxeram elementospróprios para a criação coreográfica. Uma característica comumna dança contemporânea atual e da própria companhia. Dessa forma, Sem Lugar é um trabalho de váriosautores, costurado por Pinheiro e dirigido por Suely Machado.Para facilitar a organização de idéias, quatro temas forampropostos: homem, amor, tempo e erotismo. O título "Sem Lugarvem da idéia de gauche, anjo torto, como se autodenominavaDrummond. "Com esses termos, o poeta demonstrava que não seencaixava nos padrões sociais." Pinheiro e companhia fugiram da literalidade. A obra deDrummond foi a base para a criação do espetáculo. Em cena ummosaico que explora as sensações e a percepção do público. "Nãobuscamos retratar a vida do poeta, mas estabelecer uma ponteentre sua obra com a dança contemporânea, por meio do trabalhodos intérpretes-criadores." O cenário foi baseado no poema Nova Moda, queapresenta a elegância carioca ao mesmo tempo que explora aimagem da areia, que aos poucos toma conta de tudo, até mesmodos sonhos. No palco, montes de areia que com a dança seespalham por todos os lados. A coreografia engrossa a programação do projeto DePonta a Ponta, do Sesc Vila Mariana. O programa também contacom um workshop gratuito, Criação do Gesto, ministrado porSuely Machado e voltado para bailarinos e atores, naquarta-feira, das 14 às 17 horas. O Centro 1.º Ato comemora 20 anos de existência e quandoo assunto é dança, merece destaque. A companhia nasceu em 1982,como uma escola que buscava mais que aprimorar a técnica, masincentivar o potencial de cada aluno. As crianças recebem aulas de dança em tenra idade, apartir dos 3 ou 4 anos. Diferentemente do que ocorre nas escolaspor aí, meninos e meninas tomam conhecimento da linguagemcorporal e improvisação, de forma lúdica. Somente aos 7 anosdecidem qual o caminho seguirão, balé ou moderno. A companhia nasceu alguns anos mais tarde, em 1988, como intuito de trazer à tona o talento dos intérpretes ao palco.Não possui um coreógrafo residente, mas tem apostado nacapacidade de Tuca Pinheiro para realizar a trilogia que começoucom Desiderium, em 1996, Beijo... nos Olhos... na Alma...na Carne, de 1999, e agora Sem Lugar.Serviço - 1.º Ato Grupo de Dança. Terça-feira e quarta-feira,às21 horas. De R$ 5,00 a R$ 10,00. Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas,141, São Paulo, tel. 5080-3000.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.