Grupo brasiliense encena peça de Edward Albee

Realizado pelo Sesc-São Paulo, oprojeto Primeiro Sinal tem como objetivo dar visibilidade aartistas que se iniciam na cena teatral. Mas isso não se traduzem desculpa para o vale tudo e a precariedade nos moldes doFringe do Festival de Teatro de Curitiba. No Primeiro Sinal hácuradoria e a idéia é trazer artistas que, mesmo principiantes,prometem não só inquietação como boa formação e talento. Foi ocritério que norteou a escolha do grupo brasiliense A Muleta,criado na Universidade de Brasília (UnB) que apresenta a partirDesta quarta-feira no Sesc A História de Jerry e o Cachorro ou AHistória do Jardim Zoológico, de Edward Albee. A montagem nasceu dentro da UnB, onde Diego Bresaniingressou em 2003 para um curso de direção. "Num primeiromomento dirigi uma cena desse texto, A História do JardimZoológico, na forma de um esquete", diz Bresani. "Como arecepção foi boa, depois trabalhamos a peça inteira." Oespetáculo saiu do muros da Universidade, passou por festivaisuniversitários e pelo circuito teatral de Brasília, no qualrecebeu cinco indicações ao Prêmio Sesc de Teatro Candango:espetáculo, diretor, ator (para Rodrigo Fischer e MárcioMinervino) e trilha sonora (Kalley Serraine). Levou o de atorpara Minervino e trilha sonora. Nessa peça de Albee dois homens se encontram num bancode praça. São personagens urbanos de personalidades opostas.Peter (Fischer) é o cidadão bem casado e bem empregado, em diacom seus impostos e, aparentemente, guiando sua existência sobrea terra. Jerry (Minervino) é um sujeito solitário e entediado.No banco da praça, mais do que puxar conversa, ele vai puxarPeter para o um jogo perigoso. Por que a alteração do título?"Há um cachorro no texto, mas nós o duplicamos, de certa forma,ao valorizar a idéia de um homem conduzido por outro, feito umcão", diz Bresani, em conversa por telefone, de Brasília. Ele credita o sucesso da peça à plena identificação daplatéia brasiliense. "De forma sutil, sugerimos que a históriase passa em Brasília. Todos nós, do elenco, crescemos aqui. Estacidade é propicia a comportamentos bizarros. Tudo é muitodistante, há muita solidão em Brasília, é preciso andar muitopara chegar a uma padaria", diz. "Esse encontro entre realidadesopostas, entre um funcionário público e um sujeito muitosolitário e meio psicótico é bem possível por aqui." A História de Jerry e o Cachorro ou A História do JardimZoológico. 60 min. 16 anos. Unidade Provisória Sesc AvenidaPaulista - Espaço Décimo Andar. Av. Paulista, 119, 11-3179-3555.4.ª e 5.ª, 19 h. R$ 8. Até 15/3

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.