Divulgação
Divulgação

Grife Dolce & Gabbana apresenta coleção de alta moda maximalista

Desfiles em Milão tiveram estampas e brocados exuberantes

Maria Rita Alonso, ESPECIAL PARA O ESTADO

05 de fevereiro de 2016 | 07h00

Foi uma experiência singular. Primeiro, porque invertendo a lógica, a plateia estava acomodada no palco, de frente para os luxuosos camarotes e galerias, em dourado e vermelho, do Teatro alla Scala, de Milão, uma das casas de ópera mais famosas do mundo. Depois, porque o espetáculo em questão era um desfile de Alta Moda da grife Dolce & Gabbana, apresentado no último domingo a convidados da marca. A atmosfera inusitada e dramática estava à altura das fontes de inspiração dos estilistas Domenico Dolce e Stefano Gabbana para a temporada: as composições de Giacomo Puccini, autor de Madame Butterfly Turandot, Tosca, entre outras; e as criações chiquérrimas da estilista milanesa Biki (Elvira Leonardi Bouyeure), que era neta de Puccini e, entre 1940 e 1960, vestiu princesas, milionárias e estrelas, como a atriz Sophia Loren e a soprano Maria Callas. “Para produzir essa coleção miramos em dois tipos de mulheres: de um lado, as heroínas passionais das ópera, com aqueles figurinos maravilhosos, aqueles chapéus enlouquecidos, de outro, as mulheres que assistiam aos espetáculos em Milão, sempre elegantes e poderosas, vestidas sob medida por Biki", disse Gabbana, ao Estado, pouco antes do show. 

De pontos de partida opostos, surgiu uma coleção ovacionada de pé pela plateia de 200 convidados, formada por jornalistas de moda e editores, familiares, amigos e clientes bilionários da dupla vindos especialmente para o desfile dos Estados Unidos, da Rússia, da China e de toda a Europa. O maximalismo exposto em estampas florais exibidas, brocados exuberantes, capas, caudas, coroas e muito mais, realmente encheu os olhos. A dupla deu show de opulência, mas também seduziu a crítica investindo no melhor da alfaiataria e do mais simples e eficiente vestido do mundo: o preto. Básico, atemporal, incrivelmente bem cortado, do tipo que molda e corpo e dura para sempre. “Não estamos mais interessados em lançar tendências. As tendências passam, o estilo fica. Estamos focados hoje em oferecer roupas com estilo”, afirmou Gabbana.

Representantes declarados da cultura italiana, os designers levaram ainda para a passarela longos com estampas pintadas a mão de ícones arquitetônicos de Milão, como o Duomo e a Galleria Vittorio Emanuele. Desenhos inspirados nos croquis da estilista Biki também enfeitaram vestidos com modelagem dos anos 1960. Como Biki amava chapéus, os estilistas se sentiram à vontade para apresentar na coleção os modelos mais variados: de casquetes a um capuz que lembrava uma mantilha. Blazers bordados e um smoking branco e preto também se destacaram, ao lado de vestidos com cristais e longos drapeados que eram puro luxo. 

Em plena hora de almoço, no domingo, a plateia, que usava joias e peças de vison, vibrou e se emocionou, enquanto ouvia as árias mais lindas e emotivas da obra de Puccini. Dolce chorou quando pisou na passarela, ao final do desfile, e viu Anna Wintour (aquela temida editora de moda da Vogue America) aplaudindo sua coleção de pé. 

Quando parecia que todas as surpresas haviam acabado, veio o gran finale. Os convidados deixaram o palco enquanto aguardavam pelo almoço. As cortinas se fecharam e, de repente, se abriram. O palco emergiu do subsolo com mesas super decoradas por arranjos de orquídeas e rosas, com os garçons a postos elegantemente vestidos. No menu, risoto e filé à milanesa. Foi um desfile bem peculiar.

Coleção de joias tem inspiração na obra de Puccini

O evento da Alta Moda, em Milão, durou três dias. Começou na última sexta-feira, 29, com a apresentação das peças de joalheria. No sábado, 30, houve o desfile masculino de Sartoria e, no domingo, 31, o feminino, com vestidos exclusivos, da linha feita sob medida, exibidos na passarela armada no palco do Teatro alla Scala. As joias da nova coleção seguiam a mesma inspiração do desfile de Alta Moda: a estilista milanesa Biki, famosa por vestir a aristocracia italianas e as celebridades nos anos 40, 50 e 60, e seu avô, o grande compositor de óperas Puccini. Daí o colar de ouro branco em forma de fita métrica, o carretéis de linha, tesoura e botões como pingentes luxuosos com diamantes, rubis e esmeraldas e os brincões que reproduziam os lustres do La Scala.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Giacomo PucciniAlta Costura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.