Greve paralisa Broadway e vira atração turística

Foi um fim de semana de silêncio na Broadway. Porconta de uma disputa entre o sindicato dos músicos e o dosprodutores de teatro sobre o tamanho mínimo das orquestras demusicais, quase todos os espetáculos foram suspensos na sexta-feira. Os artistas resolveram apoiar a greve dos músicos, com o que os produtores não tinham contado. Eles planejavam manter as peças em cartaz com músicas gravadas.No total, 18 musicais não tiveram sessões este fim de semana:inclusive hits como The Producers, Hairspray e O ReiLeão. Apenas Cabaret continua em cartaz. Nãohavia uma greve na Broadway desde 1975. Os produtores queremdiminuir a exigência de 26 músicos para os teatros maiores para algo em torno de 15 profissionais. O sindicato da categoria é contra. Os músicos têm tocado ao vivo nos piquetes, que viraram uma atração turística na região de Times Square.Prejuízos - Até o momento, ambos os lados não estão nada otimistas quanto às negociações. A associação de produtores não conversa com o sindicato de músicos desde o anúncio da greve, na sexta-feira. Segundo os produtores, cada apresentação cancelada tem custado uma média de US$ 1,2 milhão em perdas nas bilheterias. Conforme a secretaria de turismo da cidade, o prejuízo passou de US$ 7 milhões no fim de semana, uma estimativa que inclui queda no movimento em restaurantes, hotéis e até táxis.

Agencia Estado,

10 de março de 2003 | 12h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.