Greve fecha teatros de Paris nesta 3.ª

Grande parte do mundo teatral e operístico de Paris fechou suas portas nesta terça-feira ao mesmo tempo em que milhares de artistas e músicos saíram às ruas para protestar contra o plano do governo de mudar seu seguro desemprego."Agora, nos teatros de todo o país: nada", dizia um cartaz colocado diante da Ópera Nacional, onde os manifestantes se reuniram antes de seguir rumo ao teatro Olympia, outro dos centros culturais da capital francesa."Há mais de 30 mil pessoas. Nunca se viu uma manifestação deste tamanho", disse Jean Voirain, diretor do grêmio artístico FNSAC-CGT. "Isso significa que o ministro da Cultura Jean-Jacques Aiullagon terá que rever seus planos". Já segundo cálculos da polícia, a manifestação reuniu cerca de 8,5 mil pessoas.Voirain afirmou que todos os teatros de Paris e muitos cinemas suspenderam suas sessões na tarde de hoje, filmagens foram interrompidas assim como a construção de cenários para produções cinematográficas.Algumas emissoras de TV suspenderam também seus programas. A Ópera Nacional informava ao telefone que não haveria sessão da ópera Fausto, de Goethe, em cartaz naquele teatro.O governo anunciou recentemente o desejo de mudar o atual sistema que permite aos artistas receber salário desemprego durante o período em que têm pouco trabalho. A medida faz parte dos esforços do governo de centro-direita de reduzir gastos sociais como parte de um programa de austeridade para reduzir o déficit público.Segundo Voirain, sem esses benfícios, "a fábrica cultural e a diversidade artística da França teriam desaparecido há anos".

Agencia Estado,

25 de fevereiro de 2003 | 20h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.