Gregori evita falar de polêmica entre Igreja e Globo

O ministro da Justiça, José Gregori, evitou hoje fazer comentários sobre a decisão da Igreja Católica de não permitir o uso de suas igrejas para o casamento de dois personagens da novela Laços de Família, da TV Globo. A personagem Camila (Carolina Dieckmann) está grávida de Edu (Reynaldo Gianecchini), que era namorado de sua mãe (Vera Fisher). Por intermédio de sua assessoria de imprensa, Gregori avisou que esse é um "problema que diz respeito à Igreja e à TV".Gregori afirmou ainda que a portaria baixada pelo ministério regulamenta as questões de faixa etária, mas não tem o poder de interferir nos enredos de programas e novelas. "A imagem se sobrepõe ao conteúdo", disse o ministro. "O enredo é arte e o ministério não interfere em enredo porque isso seria censura", acrescentou o ministro, afirmando que "censura o governo jamais irá fazer".A assessoria do ministro lembra, no entanto, que qualquer cidadão que entenda que o enredo, de cenas ou da programação das emissoras de televisão, fere o Estatuto da Criança e do Adolescente pode recorrer ao Ministério Público. A portaria do Ministério da Justiça, segundo a assessoria, não tem poder punitivo. As multas e punições estão previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente.Hoje o ministro e assessores do ministério tiveram a segunda reunião com representantes da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). No encontro, os representantes da Abert apresentaram a Gregori algumas dúvidas em relação à portaria, como o problema do cumprimento das normas por Estados com fuso horário diferente. A maioria das emissoras funciona com programação em rede e com isso, programas liberados para um determinado horário na região Sudeste são retransmitidos em horários diferentes em outros Estados.O problema se agrava mais ainda com o novo horário de verão. Outra dúvida é com relação à programação de rádios, se deve ou não ser submetida ao ministério. Uma comissão técnica de representantes do ministério e da Abert irá estudar as dúvidas e possivelmente alterar a portaria, incluindo pontos específicos para esses problemas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.