Grandes autores entram na mira dos leitores mirins

Carlos Eduardo dos Santos Micelli,de 13 anos, um paulistaninho fanático por boa leitura, chega aocaixa da Saraiva Megastore, no Eldorado Shopping Center,acompanhado pela mãe, d. Márcia, o cartão de crédito da mãe epor uma pilha de livros que acaba de escolher para ler nasférias.Entre os autores, não há a escocesa J.K. Rowling, porque o"letrado" garotinho diz que já devorou todos os quatro volumesda série de Harry Potter lançados até agora no Brasil. Em vezdela, há na pilha de Carlos Eduardo nomes como Machado de Assis,Rachel de Queiroz, Erico Verissimo e Carlos Heitor Cony. "Foiele quem escolheu todos, não agüentou esperar até o Natal",garante a mãe, professora de Geografia na rede pública.Não, o menino não está comprando Dom Casmurro, OTempo e o Vento, Memorial de Maria Moura ou QuaseMemória. Decidiu engrossar a biblioteca de seu quarto comConto de Escola, de Machado; O Urso com Música naBarriga, de Érico; Xerimbabo, de Rachel, e O LaçoCor-de-Rosa, de Cony, todos livros infanto-juvenisrecém-lançados pelas principais editoras do País. "Ah, sei lá,gostei das capas, dos títulos, das ilustrações, por isso estoulevando", diz Carlinhos, sem fazer pose de criança-prodígio.Uma fartura de bons lançamentos da chamada literaturainfanto-juvenil está marcando este fim de ano. Coroando a ótimafase, há uma tendência facilmente observável nas prateleiras daslivrarias especializadas e confirmada pela lista de compras deCarlos Eduardo: as editoras estão centrando forças em títulosassinados por autores clássicos, como Machado de Assis e EricoVerissimo, e por nomes consagrados da safra de autores nacionais, como Rachel de Queiroz, Carlos Heitor Cony e, claro, a rainhado gênero no Brasil, Ana Maria Machado.Conto de Escola, do velho Machado, é um dos textosde seu Várias Histórias, escrito em 1896. Reeditado pelaCosac & Naify com um cuidado que toda obra de arte merece ter, otexto do século 19 continua incrivelmente atual. "Eu fiqueifeliz, porque meu filho vai poder entrar para esse universo delivros do Machado de um jeito simples e, quem sabe, ficarestimulado a ler com gosto todos aqueles clássicos que a genteteve de ler forçado na escola, no nosso tempo", comenta aorgulhosa d. Márcia, mãe de Carlinhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.