Divulgação
Divulgação

Grande dama da irreverência e do humor, Dercy Gonçalves completaria 108 anos

Ela está no 'Guinness Book' como a atriz com o maior tempo de carreira da história mundial, 86 anos; confira frases célebres

O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2015 | 16h14

Símbolo de irreverência e bom humor, Dolores Gonçalves Costa, a Dercy Gonçalves, completaria 108 anos nesta terça-feira, dia 23 de junho.

Uma das maiores damas do teatro de improviso no Brasil, famosa pelos palavrões, que usava à vontade em toda e qualquer ocasião, Dercy morreu em 19 de julho de 2008, com 101 anos.

Também cantora e atriz, ela surgiu no teatro de revista e ficou conhecida por suas participações em filmes brasileiros dos anos 1950 e 1960. 

Nascida na cidade de Santa Maria Madalena, no Estado do Rio, Dercy foi reconhecida pelo Guinness Book como a atriz com o maior tempo de carreira da história mundial, no total foram 86 anos.

Nesse longo tempo, ela produziu uma enorme variedade de frases e pensamentos que expressam suas experiências e vivências e seu humor ácido.

Algumas frases célebres de Dercy Gonçalves:

"Tudo que é oferecido ou é podre ou é moído!"

"Palavrão não é feito pra qualquer um dizer, depende da boca e da inteligência de quem fala."

"Não tenho doença, não tenho dores, não tenho saudade de nada nem de ninguém. Não tenho ódio, não tenho amor, nunca fui apaixonada."

"Sou livre. Não tem outra igual a mim! Ninguém tem mais moral do que eu."

"Não falo palavrão, só falo as coisas como elas são."

"Não saio sem dentadura, pestana e peruca."

"Fui sem educação, sem mãe, sem família, fui uma menina criada sozinha, sem nenhuma orientação, e consegui vencer. Isso para mim foi uma glória."

"Não fumo e nunca bebi. Não sou um tanque de combustível para botar álcool dentro de mim."

"Por maior que seja o buraco em que você se encontra, pense que, por enquanto, ainda não há terra em cima.” 

“Só vou morrer quando EU quiser.”

“A felicidade é você quem faz. Se você não se dá, ninguém te dá.”

“Quando a angústia chega, eu grito: eu sou feliz, caceta. E aí ela some.”


Mais conteúdo sobre:
cinemaTVDercy Gonçalves

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.