Grammy do rock, bebê

The Black Keys ganha quatro troféus na festa da indústria fonográfica

LOS ANGELES, O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2013 | 02h05

Os riffs de guitarra dominaram a mais importante festa indústria fonográfica. A banda The Black Keys foi quem levou mais troféus para casa no 55.º Grammy, realizado em Los Angeles, na noite de domingo. Vencedor em quatro categorias, o grupo ganhou os prêmios de melhor canção de rock, por Lonely Boy, álbum de rock, por El Camino, performance de rock e produtor do ano, láurea de Dan Auerbach, responsável por outros artistas, como Dr. John e Hacienda.

Outro ganhador de destaque da noite foi o cantor Gotye, que desbancou Taylor Swift e Kelly Clarkson na categoria gravação do ano com Somebody That I Used to Know, executada exaustivamente nas rádios brasileiras. Com a mesma música, o artista foi vencedor ainda como performance de pop em dupla ou grupo, em que derrotou Maroon 5, que concorria com Payphone, e LFMAO, do hit Sexy and I Know It. Na categoria álbum alternativo, Gotye passou a frente de Fiona Apple, Björk e Tom Waits com o disco Making Mirrors.

Quem faturou o título de canção do ano foram os norte-americanos da banda Fun, com We Are Young. Eles também foram escolhidos como artista revelação. No discurso de agradecimento, o vocalista Nate Ruess brincou com o título da música (Nós Somos Jovens, em português). "Não sei em que estava pensando quando escrevi o refrão dessa música. Com a alta definição (da TV), todo mundo vai ver nossos rostos, ver que não somos tão jovens", disse.

Entre os prêmios mais importantes estava o de álbum do ano, vencido pelos ingleses do Mumford & Sons, por Babel. O grupo disputava com The Black Keys, Fun e Jack White na categoria. Na briga pelo melhor vídeo, os artistas venceram com Big Easy Express, que concorria com From The Skye Down, do U2, e Radio Music Society, de Esperanza Spalding.

Mumford & Sons recebeu um dos troféus da conterrânea Adele, que este ano levou apenas o prêmio de performance pop solo por Set Fire To The Rain, gravada do Royal Albert Hall, em Londres. No ano passado, a cantora saiu da festa com seis fonógrafos dourados na mão.

Os rappers Jay-Z e Kanye West também tiveram vez no Grammy e ganharam como canção de rap e performance de rap, por N****s in Paris, e colaboração de rap por No Chruch in the Wild. Na categoria de álbum pop vocal, Kelly Clarkson, uma das vencedoras do reality American Idol, levou o título por Stronger. Ao subir ao palco para receber o prêmio, a jovem mandou um recado para o cantor de R&B Miguel, que havia visto minutos antes. "Miguel, não sei quem é você, mas precisamos cantar algo juntos. Foi a coisa mais sexy que já vi", disparou.

Entre as entregas de prêmios, artistas como Taylor Swift, Carrie Underwood, Alicia Keys se apresentaram. Rihann e Bruno Mars se juntaram a Ziggy e Damian Marley para fazer um tributo de reggae a Bob Marley e cantaram Locked Out of Heaven, Walking on the Moon e Could You Be Loved. Elton John, que vem ao Brasil este mês, dividiu o palco com Mumford & Sons, Mavis Staples, Zac Brown e Brittany Howard, do Alabama Shakes. A música The Weight foi dedicada às vítimas do massacre de Sandy Hook, em que cerca de 20 crianças foram baleadas em dezembro do ano passado, nos EUA.

Anunciado por Beyoncé e pela apresentadora Ellen DeGeneres, Justin Timberlake fez a primeira performance em TV de Suit & Tie, sua nova música de trabalho, lançada depois de um hiato de cinco anos. Além de dançarinas, o ex-vocalista da boyband N'Sync recebeu Jay-Z para uma participação.

Único brasileiro indicado, o violoncelista Antonio Meneses, que concorria com álbum dedicado ao concerto de Elgar (com regência de Claudio Cruz), perdeu para o violista Kim Kashkashian na categoria solista clássico. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.