'Grafitar' com tricô vira mania em diversos países

Grupos cobrem estruturas públicas com peças de tricô customizadas.

Da BBC Brasil, BBC

28 de janeiro de 2009 | 07h18

Um movimento criado nos Estados Unidos vem ganhando adeptos ao redor do mundo: o de cobrir propriedades públicas com tricô. Os grupos já "embrulharam" árvores, corrimãos, postes de luz, hidrantes, semáforos e outras estruturas públicas com tricô. Chamado de Yarn Bombing (Bombardeio de novelos, em tradução livre), o movimento começou com a americana Magda Sayeg há três anos em Houston, no Texas. Sayeg cobriu o trinco da porta de sua loja de roupas com tricô e chamou a atenção do público. O interesse pelo detalhe de tricô a inspirou para criar o grupo KnittaPlease e reunir interessados no mesmo tipo de trabalho manual."A idéia é bombardear a cidade com trabalhos de arte tricotados e vibrantes, embrulhar com tricô coisas simples, como uma garrafa de cerveja a monumentos públicos e estruturas urbanas", disse Sayeg. Sayeg criou um website para publicar fotos dos monumentos e objetos cobertos com o tricô e formou a base para outros grupos também publicarem os objetos tricotados ao redor do mundo. O movimento já se espalhou por países como Holanda, Suécia, Finlândia, Canadá, China, Austrália e Grã-Bretanha. OusadiaUm dos projetos mais ousados já realizados por Sayeg foi cobrir um ônibus com tricô. Segundo ela, o trabalho levou uma semana e contou com dezenas de voluntários. "Usamos agulhas bem grossas e dezenas de novelos para cobrir o veículo todo", disse ela. Ela diz que o movimento é uma forma de "grafitti", mas com lã. "Usar o tricô como forma de grafitti é um fenômeno interessante e não há outro hobby melhor do que esse", disse ela. No Canadá, um livro sobre o movimento está previsto para ser publicado até o final deste ano. Yarnbombing: The Art of Knit Graffiti (Yarnbombing: A Arte do Grafitti de tricô), de Mandy Moore and Leanne Prain, vai trazer fotos e a história dos primeiros grupos do movimento. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.