Grã-Bretanha vai retirar príncipe Harry do Afeganistão

O príncipe Harry será retirado doAfeganistão depois que a imprensa noticiou que ele está há doismeses e meio na frente de batalha, segundo fontes do Ministérioda Defesa. Os comandantes já preparam a retirada do príncipeguerreiro, mas não se sabe quando ela ocorrerá. "Será relativamente rápido, será uma retirada ordeira edigna, mas não há necessidade de pressa", disse uma fonte doministério. Harry, filho do príncipe Charles e da falecida princesaDiana, é o terceiro na linhagem sucessória britânica, atrás dopai e do irmão mais velho, William. Ele já foi informado sobreo vazamento da notícia de sua atividade militar -- "furo" de umsite norte-americano na quinta-feira. Como agora o fato é público e notório, há temores de queHarry se torne um alvo de alto valor para a Al Qaeda, o Talibane outros militantes islâmicos na perigosa província de Helmand,no sul afegão. Harry, 23 anos, foi enviado à frente de combate emdezembro. Sete meses antes, sua ida ao Iraque havia sidocancelada devido a ameaças de morte e sequestro por parte demilitantes islâmicos iraquianos. Os militares o enviaram ao Afeganistão apenas depois que aimprensa britânica e alguns veículos internacionais concordaramem só noticiar sua ida à guerra depois que ele voltasse doAfeganistão, o que deveria levar quatro meses. Embargos jornalísticos desse tipo são raros naGrã-Bretanha, e sua violação enfureceu o comando militar. "Estou muito desapontado por sites estrangeiros teremdecidido publicar essa matéria sem nos consultar", disse ogeneral Richard Dannatt, comandante do Exército, em nota naquinta-feira, no qual anunciava a possibilidade de Harry serretirado. O príncipe é responsável por convocar bombardeios contraposições do Taliban e fazer patrulhas a pé por aldeias, echegou inclusive a disparar contra supostos militantes, segundoimagens divulgadas depois do vazamento da notícia. "Sua conduta nas operações no Afeganistão tem sidoexemplar. Ele está plenamente envolvido nas operações e correos mesmos riscos que os demais", disse Dannatt. Em entrevistas concedidas como parte do acordo com aimprensa, Harry disse que está ciente de que pode se tornar umalvo específico agora que sua presença no Afeganistão éconhecida. "Quando este filme sair, cada pessoa que apoiar [osinsurgentes] vai tentar me apanhar [...]. Sem dúvida vou virarum alvo importante", disse ele. Falando sobre sua experiência na linha de frente, Harrydisse: "Realmente não tomo um banho há quatro dias, não lavominhas roupas há uma semana. É ótimo ser uma pessoa meio quenormal pelo menos uma vez."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.