Governo lança programa cultural ao som de samba

Com direito a show dos sambistas WalterAlfaiate e Moacyr Luz e canja do ministro da Cultura, Gilberto Gil, a Petrobrás lançou hoje, em sua sede, a segunda edição doPrograma Petrobrás Cultural. Serão R$ 61 milhões (R$ 1 milhão a mais do que no ano passado) em patrocínios a seremexecutados até dezembro de 2006. Do total, 75% será destinado à seleção pública. Os R$ 15,5 milhões restantes vão para osprojetos de escolha direta da empresa, que serão anunciados no dia 19. A inscrição dos projetos fica aberta até 14 de janeiro. Asinformações podem ser obtidas no site www.petrobras.com.br.O programa tem dois eixos. O primeiro, é de preservação e memória, ao qual será destinada uma verba de R$ 11 milhões. O segundo, envolve projetos de produção, difusão e reflexão, contemplando o cinema, com R$ 23,6 milhões, a música, com R$ 7,9 milhões e as artes cênicas, com R$ 3 milhões, a serem complementados pelaFunarte. No caso destas últimas, que englobam teatro e dança, um edital à parte será lançado.?Cabe ao Estado parcela significativa dessa tarefa de desenhar o modelo de financiamento da cultura e identificar os setores culturais, entre eles os mais frágeis?, disse Gil. Ele ressaltou a atuação do BNDES, da Caixa Econômica Federal e do Banco doNordeste, este oferecendo microcréditos ?até a rabequeiros?, e afirmou que as políticas culturais devem assumir a dimensão depolíticas públicas.Segundo a gerente de Patrocínios da Petrobrás, Eliane Costa, os projetos passam por duas instâncias de avaliação, primeiro por especialistas reconhecidos pelo mercado em cada área, e depois, pelo Conselho Petrobrás Cultural, formado por gerentesde patrocínio e de comunicação institucional da Petrobrás e da BR Distribuidores, três consultores artísticos e representantes do Ministério da Cultura e da Secretaria de Comunicação da Presidência.Entre os projetos escolhidos diretamente pelo conselho da estatal, alguns foram anunciados hoje: Museu Nacional de Belas Artes e do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio, no Museu da Inconfidência,em Minas, nos parques arqueológicos da Serra da Capivara, no Piauí, e do Xingó, em Sergipe, e numa parceria com o Centro de Documentação dos Wajãti, no Amapá. Além disso, sete novos grupos de dança e de teatro passarão a contar com o patrocínioda empresa.Uma das grandes novidades para 2005 será a criação de uma revista eletrônica para divulgar a produção artística e cultural que não encontra espaço na mídia tradicional. O site está sendo concebido pelo antropólogo Hermano Vianna.

Agencia Estado,

05 de novembro de 2004 | 20h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.