Governo austríaco desiste das obras de Klimt

O Governo da Áustria anunciou hoje que desistiu de comprar os cinco quadros de Gustav Klimt (1862-1918). Após uma disputa de seis anos, o Governo teve que devolvê-los aos herdeiros dos proprietários originais perseguidos pelo regime nazistaElisabeth Gehrer, ministra da Cultura, disse que o Governo não cogita destinar US$ 300 milhões de seu orçamento para adquirir as pinturas, entre elas dois retratos de Adele Bloch-Bauer, atualmente expostos na Galeria Pública Belvedere de Viena. O Ministério da Fazenda informará ao advogado da herdeira, Maria Altmann, que suspenderá as negociações para recuperar as obras.O retrato de Bloch-Bauer conhecido como Adele de Ouro é um dos ícones da galeria e um dos quadros mais reproduzidos em postais e souvenires para turistas em Viena. Os outros quadros em disputa são as três paisagens Manzano I, Hayedo e Houses in Unterach on The Attersee.As obras foram confiscadas depois da anexação da Áustria pelos nazistas em 1938 na casa do marido de Adele Bloch-Bauer, Ferdinand, tio de Altmann que conseguiu fugir para a Suíça.O diretor da galeria onde estavam os quadros, Gerbert Frodl, comentou hoje que se trata de "uma perda imensa" para o mundo da arte austríaca.A disputa judicial entre os herdeiros e a Áustria começou em 1999, quando o Estado austríaco se negou a devolver os quadros. A justificativa foi que devia valer a decisão de Adele Bloch-Bauer, que manifestou o desejo de entregar os óleos à galeria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.