Governo americano cobra taxa de rádios que ganham jabá

Nos Estados Unidos, a prática de rádios e televisões tocarem e exibirem clipes de músicas mediante pagamento de seus autores, chamada de payola - palavra que engloba pay (pagar) e um pedacinho da palavra vitrola (em inglês, victrola) - desde os anos 50 é considerada um crime federal, mas agora o país cobrar taxas de quem pratica a ação, de acordo com a revista Consultor Jurídico. As informações são do site Findlaw. Quatro grandes rádios americanas (Clear Channel Communications Inc., CBS Radio, Entercom Communications Corp e Citadel Broadcasting Corp) fizeram acordo com o governo em que se dispuseram pagar US$ 12,5 milhões e deixar também que sejam tocadas no ar 8,4 mil horas de músicas de selos independentes. O último escândalo envolvendo payola ocorreu com a rádio KHKS-FM, em Denton, Texas, e com a rádio WKQI-FM em Detroit, Michigan. O tempo livre para as músicas independentes, diz o acordo, não pode ser aproveitado por artistas que tenham assinado contrato com as quatro maiores gravadoras dos Estados Unidos: Sony BMG Music Entertainment, Warner Music Group, Universal Music Group e EMI Group.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.