Gorda e velha - o monólogo

Quando eu me levantei hoje, achei que tinha dormido de mau jeito, porque meu rosto parecia meio amarrotado e achei meu pescoço gordo... Lavei o rosto e quando fui trocar de roupa, percebi que a saia não estava fechando direito, fechou, mas ficou aquela barriguinha em cima do cós, sabe como é... Acho que engordei, pensei. Mas como, não fiz nada de mais? É o hormônio, deve ser, só pode ser. Aí olhei minhas pernas, estavam com aquela gordura no joelho e quando suspendi a saia, vi que a cocha estava toda gorda e furadinha, celulite e flacidez... Pensei em só usar calça comprida, em tirar o espelho do quarto, em começar a ginástica, em parar o hormônio. A alça do sutiã estava envolvida numa gordurinha e meu braço não despregava do corpo, é engordei....Na volta do trabalho eu tinha esquecido dos pensamentos da manhã e tirei a blusa assim displicentemente. Quando vi meu estômago e meus peitos, tirei o sutiã e fiquei pensando enquanto a água escorria do chuveiro. Será que meu seio já caiu? E enquanto olhava para o bico do seio, me lembrava do tempo em que o Carlos Machado mandava por um lápis embaixo do seio para saber se era caído, mas isso era naquele tempo e agora? Bom, eles não estavam apontado para baixo, mas também não apontavam mais para frente.... Bom, eu podia botar silicone, hum ia ficar horrível. E se eu fizesse uma plástica; aí eu tirava o seio, o estômago, a barriga e afinava a cintura. Quando eu era mocinha, eu tinha uma cintura fininha. E as cochas, puxa, como eu fui deixar minhas cochas ficarem assim? Bom, aí eu fazia uma lipoaspiração, aquela artista tem quase a mesma idade que eu e ficou ótima...Embaixo do chuveiro baixou aquela tristeza, o tempo tinha passado, agora batata frita dava cria na barriga e a digestão se fazia na bunda. Quer dizer, não podia mais simplesmente comer e sentar porque ficava tudo ali e não saía nunca mais e o que era pior, tudo acontecia muito depressa, quando a gente via já estava assim...Mas o tempo passa para todo mundo, o Rogério também envelheceu, mas homem é diferente, não pendura e o que cai ninguém vê. Isso não está certo, quando a gente passa na rua e vê um homem não fica pensando que ele está velho, que não transa mais... . Ninguém pensa nisto, mas todo mundo vê que a mulher já chegou naquela fase de colecionar os dias debaixo das carnes. Os homens não comem ninguém e nada se fala sobre isso e as mulheres ninguém quer saber de comer, não é justo...Também, eu não faço ginástica, antes eu não fazia e não tinha muita importância, agora tudo pesa, quero ver como vão ficar estas mocinhas daqui a trinta, quarenta anos. Caramba, eu estou com quase sessenta anos, acho que não adianta mais e depois, eu sempre fui gordinha, é que antes tinha viço agora não tem maisSe eu morresse agora talvez fosse embora antes das pessoas se darem conta que eu engordei e que amoleceram minhas carnes, mas eu não vou não, semana que vem tem a festinha de fim de ano da Julinha. A Roberta falou que ela vai estar vestidinha de borboleta, imagine minha netinha vestida de borboleta dançando na festa de fim de ano da escola, imagine se eu vou morrer logo agora?Deixa eu ver se o vestido azul ainda entra, porque se não, tenho que dar um jeito. Quem sabe por uma cinta, porque a Julinha adora este vestido, ela diz que eu fico linda com ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.