Google x Facebook e essa briga está apenas começando

MAIS UM!

ALEXANDRE MATIAS, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2011 | 03h09

'LINK ESTADÃO'

NA REDE DO GOOGLE

O caderno que edito, o Link, que circula todas as segundas-feiras no jornal, inaugurou sua página no Facebook em 2010. E como não favorecemos ninguém, criamos também uma página do caderno dentro do Google Plus. Para acessá-la, visite o nosso site (www.estadao.com.br/link) e siga as coordenadas para acompanhar o Link também na nova rede social.

A capa da mais recente edição da revista Fortune escancara uma briga que não é novidade para quem acompanha de perto o universo digital. Em uma montagem, a revista colocou os dois CEOs de duas das maiores empresas de tecnologia do mundo em um embate típico dos velhos filmes de artes marciais: de um lado, Mark Zuckerberg, do Facebook; do outro, Larry Page, um dos criadores do Google.

A briga é velha e se acirra desde que a rede de Zuckeberg atingiu a marca de meio bilhão de usuários no meio de 2010. Piorou quando o Google resolveu concentrar suas forças em mais um projeto de rede social, o Google Plus, lançado no meio deste ano. O Plus se tornou - por motivos óbvios, afinal, ele é do Google - a rede social que cresceu mais rápido em toda a história, embora as pessoas ainda estejam fazendo aquela clássica pergunta que sempre acompanha o surgimento desse tipo de site: "e agora, o que é que eu faço?"

O Plus parece ainda estar pela metade porque ele realmente está. Quando foi anunciado, o Google frisou que não era uma rede social e sim uma "camada social" que estava distribuindo em todos seus serviços. Começou criando a sua versão para o botão "Curtir" do Facebook (o "+1"). Forçou o Feice a criar uma divisão entre os amigos (pois havia criado, no Plus, os "Circles", em que você divide seu grupo de amigos em "família", "pessoal do trabalho", etc. e esta semana liberou a construção de páginas de pessoas jurídicas (antes, só pessoas físicas poderiam abrir contas). Houve também o vazamento de que o estariam para lançar o Google Drive, espécie de HD virtual em que você pode deixar tudo que quiser (fotos, filmes, música) online apenas para seu próprio uso.

As mudanças ouriçaram Zuckerberg, que desmereceu o novo projeto do Google como "um mini Facebook" em uma entrevista para a TV no início da semana passada. Mas é certo que é um vai ou racha. Ou o Google acerta de vez e desbanca o Facebook no seu próprio jogo ou cria mais um trambolho digital que pode deixar de ser usado em poucos meses. E isso pode ser, acreditem, seu fim. Será?

Já tem um smartphone? Já sabe qual comprar? Amanhã começamos nosso especial de compras de fim de ano indicando os melhores celulares

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.