Gonzalo Rojas ganha o prêmio Cervantes

O poeta chileno Gonzalo Rojas, de 84 anos, ganhou o prêmio Cervantes de Literatura nesta quarta-feira, em reconhecimento ao conjunto de sua obra. Trata-se do mais importante prêmio da literatura espanhola. O autor de A Miséria do Homem, receberá cerca de US$ 110 mil. O prêmio foi anunciado após uma reunião de acadêmicos espanhóis e latino-americanos liderados por Víctor García de la Concha, presidene da Real Academia Espanhola. A Miséria do Homem foi seu primeiro livro de poemas, publicado em 1948. Desde então, Rojas escreve versos. Foi professor de literatura em universidades de Santiago do Chile, Caracas e Utah, nos Estados Unidos.Gonzalo Rojas nasceu em 20 de dezembro de 1917, filho de um mineiro, na cidade de Lebu, a uns 550 quilômetros ao sul de Santiago. Em 1992, o poeta recebeu o prêmio Rainha Sofía de Poesía Latino-americana na Espanha, o Prêmio Nacional de Literatura do Chile e o Octavio Paz, do México."Este prêmio era para outro. Haviam 33 pessoas entre romancistas, poetas e ensaistas, como eu teria esperanças de ganhá-lo? - disse o poeta em entrevista à rádio de Chillán, onde mora. "Agora, quem merecia ganhar era Nicanor Parra"."Este prêmio veio da Espanha, assim como o Rainha Sofia, e me comove muito, especialmente porque me faz lembrar de minha mulher, que morreu de câncer, e que me acompanhou à Espanha para recebê-lo em 1992".Autor de obras conhecidas em muitos países como Contra a Morte, Que se Ama Quando se Ama, Réquiem da Mariposa e Ao Silêncio. Alguns de seus poemas são vendidos no Chile em discos, declamados com sua própria voz, entre eles, uma coleção de versos eróticos. Quem conhece sua obra ressalta a ironia como uma característica fundamental de seu estilo.Assim como outros escritores chilenos destacados, Pablo Neruda, por exemplo, Rojas foi diplomata na China e em Cuba, no goberno de Salvador Allende. Após o golpe militar de 1973, viveu exilado por muitos anos nos Estados Unidos e na Europa.

Agencia Estado,

10 de dezembro de 2003 | 15h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.