Gonzagão para todos os quadris

Cantores de vozes e estilos distintos estarão reunidos hoje e amanhã na Choperia do Sesc Pompeia para celebrar a grande música de Luiz Gonzaga. E fazer a galera dançar. É o show Baião Para Todos, idealizado pelo compositor e cantor pernambucano Ortinho, que tem como convidados Arnaldo Antunes, Elza Soares, Jorge Mautner, Junio Barreto, Tulipa, Marcelo Jeneci, Mariana Aydar e Vange Milliet, além do próprio Ortinho.

Lauro Lisboa Garcia, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2010 | 00h00

Segundo ele, a banda e o repertório, que privilegia as parcerias de Gonzagão com Humberto Teixeira e Zé Dantas, procuram fugir do convencional. A sanfona de Maggo está lá, mas em vez de só zabumba e triângulo pra fazer a marcação, além da percussão de Mestre Nico e Eder Rocha, a banda tem guitarra (Luiz Chagas), baixo (Paulo Lepetit), bateria (Guilherme Kastrup) e sopros (Marcelo Monteiro).

Ortinho lembra que na década de 1970, depois de ter passado um certo período esquecido, o próprio Luiz Gonzaga colocou guitarra na banda do show que marcou sua volta. "Quando Alceu Valença, Gal Costa e Gilberto Gil começaram a trazê-lo de volta ele modernizou o som. Mas a gente colocou essa formação de banda agora sem fugir do tradicionalismo", ressalva. "Cada músico tem seu estilo, mas a banda vai tocar o baião original, não tem nada de modernoso."

No repertório, há clássicos como Asa Branca, em versão instrumental abrindo o show, Qui Nem Jiló, Baião e Vida de Viajante, ele escolheu outros baiões menos populares, como Farinhada, Estrada do Canindé e Dança da Moda. "Gonzaga é nosso Elvis Presley, é o rei da música brasileira", defende Ortinho. "O baião foi o primeiro ritmo brasileiro a fazer sucesso internacional, antes da bossa nova." O excelente documentário O Homem Que Engarrafava Nuvens, de Lyrio Ferreira e Denise Dummont reforça esse fato histórico.

A sugestão de fazer um show "com apelo de festa junina" veio do diretor de Cultura de Caruaru, Dejair Vasconcelos, depois de assistir ao tributo que Ortinho fez com o compositor de frevos Carlos Fernando. "Pouco tempo fui ver O Homem Que Engarrafava Nuvens, mal saí do cinema e liguei pra ele sugerindo fazer o show O Maior Baião do Mundo. O Sesc gostou da ideia, então nós mudamos o nome do projeto pra fazer primeiro aqui."

Em Caruaru, no dia 23, à meia-noite e meia, depois dos fogos o show para mais de 200 mil pessoas abre os grandes festejos do São João. Arnaldo e Mautner não estarão no elenco por inadequação de agendas. No lugar deles, entram Zélia Duncan, Paulinho Moska e Luiza Possi, além de Almério. A direção musical é de Ortinho e os arranjos são coletivos. Em São Paulo, Elza vai cantar Vida de Viajante e Vem Morena, enquanto Arnaldo ficou com Capim Novo e Qui Nem Jiló. "É um comercial de arte", brinca Ortinho.

BAIÃO DE TODOS

Sesc Pompeia. Rua Clélia, 93, 3871-7700. Hoje e amanhã, 21 h. R$ 8/R$ 32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.