Goncourt vai para livro em que herói é carrasco nazista

O nova-iorquino Jonathan Littell recebeu nesta segunda-feira o Goncourt, prêmio de maior prestígio da temporada literária francesa, pelo livro Les Bienveillantes (Os Benevolentes). Littell narra em primeira pessoa as confissões de um carrasco nazista, em um livro de 900 páginas. O protagonista de seu romance é um culto e refinado intelectual alemão convertido em oficial da SS. Littell viajou aos lugares onde se situa a ação, Ucrânia, Stalingrado (a atual Volgogrado), os campos de extermínio nazistas na Polônia e levou quatro meses para escrever seu romance.O fato trouxe à tona, nos meios literários, a polêmica de transformar um oficial de Hitler em herói. Pouco amigo de entrevistas, o autor defendeu-se das polêmicas, dizendo que queria abordar o tema sob a perspectiva de quem "escolheu se converter numa porcaria".O romance de estréia do autor tornou-se um fenômeno. Desde agosto, já vendeu quase 250 mil exemplares. Além disso, o americano já havia conquistado, com a obra, o Grande Prêmio da Academia Francesa. Littell é o primeiro escritor selecionado para os seis principais prêmios franceses de literatura.Autor nasceu em NY, morou na França e vive em BarcelonaAo ser anunciado vencedor do cobiçado prêmio, Littell, de 38 anos, estava em Barcelona, na Espanha, onde mora, segundo informou sua editora francesa, a Gallimard. Seu editor Antoine Gallimard disse que ele lhe enviou um comunicado por escrito firmando que estava "muito contente" por seu prêmio, mas preferia permanecer distante dos holofotes. Pediu que sua ausência da cerimônia não fosse entendida como uma "depreciação" dos jurados, mas como uma atitude de quem não quer que "a literatura faça parte da sociedade do espetáculo", e preferir que a atenção do público recaia sobre o livro e não sobre seu autor. Nos Estados Unidos, seu romance será publicado pela editora HaperCollins em 2008.Littell nasceu nos Estados Unidos, mas viveu anos na França e escreveu seu romance em francês, como um tributo a seus escritores preferidos, Stendhal e Gustave Flaubert. O pai do escritor, Robert Littell, é um conhecido jornalista e autor de romances de espionagem como Legends e An Agent in Place. No Brasil, podem ser encontrados nas livrarias dois de seus livros, A Companhia - Um romance sobre a CIA (Record) e Shimon Peres - Israel 50 Anos (Relume Dumará).O prêmio Goncourt, que existe há 103 anos, é a garantia de um sucesso literário mundial. Entre seus ganhadores estão Marcel Proust, Simone de Beauvoir e Marguerite Duras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.