Gol

Comprei uma passagem pelo site da Gol para minha mãe e um dia depois ela me disse que não poderia mais ir viajar, e me perguntou se eu poderia cancelar a passagem. Com dez dias de antecedência da data da viagem, eu imaginei que não haveria problema nenhum. E de fato não houve problema para cancelar a passagem, o que houve foi uma falta de noção da Gol.

Fábio Porchat , O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2014 | 02h07

Eles me disseram que eu tenho que pagar R$ 130 como taxa de cancelamento e que eu não teria meu dinheiro de volta, ele ficaria apenas como crédito no site para uma futura compra na Gol. Quê????????

Eu questionei a atendente dizendo que isso era um absurdo, que eu queria o meu dinheiro de volta e não ia pagar nada. Ela me informou que essas são as regras da empresa. Sim, o problema é que as regras da empresa foram criadas pela empresa. Se as regras da empresa dissessem que eu teria que sair nu pela Avenida Paulista num domingo à tarde eu teria que sair nu? Houve um silêncio. E daí que essas são as regras da empresa? Eu não concordo com algumas regras da empresa. Percebe-se, inclusive, que algumas regras da empresa são meio burras. E as regras do consumidor? Eu, Fábio, também tenho umas regras minhas. Uma das regras que eu tenho é que, se eu não concordar com a empresa Gol, eu posso pegar um computador da lojinha da Gol lá no aeroporto de Congonhas. Ok? Não? Ué, mas são regras da minha empresa, a Fábio Porchat Ltda. E agora? Por que que a sua regra vale e a minha não? Por que que você pode roubar o meu dinheiro e eu não posso roubar o seu computador? Deixa, aí fica elas por elas. O cliente tem sempre razão, menos os clientes Gol. Talvez o slogan da Gol seja: o cliente tem sempre razão em seguir as regras da Gol. E eu ainda tenho que pagar pra eles cancelarem minha passagem.

Quando a aeronave tem falha e meu voo é cancelado, eles não me pagam R$ 130. Ué, por quê? Foi um cancelamento também. Pior até, porque nem me avisaram com antecedência, eu nem pude me programar para não perder meu precioso tempo, esperando na agradável sala de espera do aeroporto.

Eu tô cansado dessas regras dessas empresas que só são boas para elas. Elas não compreendem o meu lado, mas eu sou obrigado a compreender o lado delas. Falar que as empresas não respeitam o consumidor é chover no molhado, mas a empresa que quer sacanear o consumidor, essa já é mais novidade. Um upgrade que eles tiveram e nem precisaram gastar milhas pra isso. Mas, no fundo, eu fiquei feliz em acumular créditos para minha próxima viagem da Gol, porque eu tô mesmo precisando de um computador novo lá pra casa.

Mais conteúdo sobre:
Fábio Porchat

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.