Goethe abre exposição com debate sobre história e estética da dança

A partir de sábado, e até o dia 14, o Instituto Goethe apresenta a exposição fotográfica Dança-Teatro - 30 anos de História da Dança Alemã; a mesa-redonda Dança-Teatro: Corpo, Estética e Políticas. Há ainda o lançamento do livro Pina Bausch e o Wuppertal Dança-Teatro: Repetição e Transformação, de Ciane Fernandes.A exposição de fotos conta com 40 imagens de 25 fotógrafos internacionais, que documentaram a dança-teatro na Alemanha a partir da década de 70, e traz um panorama das mais importantes companhias alemãs do gênero. Essa mostra foi organizada pelo Goethe-Institut de Munique. A exposição traz cenas de apresentações de importantes coreógrafos como Gerhard Bohner e Pina Bausch, entre outros. As fotos estão reunidas no livro Teatrodanza Hoy - Treinta Años de Historia de La Danza Alemana.Pina é um nome de destaque, pois criou uma espécie nova de expressão artística, eliminando os limites entre a dança e o teatro, o que os críticos ainda não sabem se definem como dança-teatro ou teatro dançado. Ela nasceu em Solingen, na Alemanha, em 27 de julho de 1940. Estudou na Folkwang, em Essen, uma das mais importantes escolas de seu país, onde recebeu influências de mestres do expressionismo como Laban, Wigman e Leeder.Por esse motivo, a obra de Pina exibe movimentos distantes do clichê: os bailarinos cantam, choram, gritam, falam atiram-se no chão, despem-se ou sobem pelas paredes. Pina Bausch vem construindo uma dramaturgia própria para a dança. Com isso a expressividade em dança ganhou outro alcance. E foi essa alemã o objeto da tese de doutorado de Ciane Fernandes na Universidade de Nova York. Foram cinco anos de pesquisa que resultaram no livro Pina Bausch e o Wuppertal Dança-Teatro: Repetição e Transformação (Editora Hucitec), que será lançado no dia 27. "Para fazer a tese, assisti a vários vídeos, peças, dancei, entrevistei uma série de pessoas, li Lacan e Foucault e analisei as técnicas de Laban", explica a autora. Em seu livro, Ciane aborda o tema da repetição como método criativo de Pina e o utiliza como fio condutor para apresentar uma série de universos. "Procuro dar um caráter pós-moderno ao trabalho de Pina, faço no livro o que ela realiza com as peças".No mesmo dia ocorrerá uma mesa-redonda sobre os aspectos históricos e estéticos da dança-teatro, a sua influência na produção brasileira e com está inserida no contexto da política social no Brasil e na Alemanha. O evento conta com a participação de Carlos Martins, membro da Cooperativa Paulista de Coreógrafos-Bailarinos; Fábio Cypriano, professor da PUC; José Teixeira Neto, diretor do Museu da Arte Contemporânea da USP, entre outros.Serviço - Dança-Teatro. De segunda a quinta, das 9 às 22 horas; sexta, até 20 horas; sábado, até 16 horas. Instituto Goethe. Rua Lisboa, 974, tel. 280-4288. Até 14/6.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.