Globo nega plano de esvaziar jornalismo em SP

A decisão de editar o GloboEsporte no Rio, até o fim do horário eleitoral, alimentou umasérie de especulações sobre o destino do jornalismo da Globo emSão Paulo. Para uns, a importância do setor dentro da redeestaria sendo esvaziada. Para outros, o quadro atual não requercálculos conspiratórios: a diminuição dos noticiários locais ésomente fruto do contexto eleitoral, a começar pelo apertosofrido na programação, em razão do horário gratuito.Diretor da Central Globo de Jornalismo, Carlos Schroderafirma que não há qualquer plano para reduzir o trabalho daequipe em São Paulo. "Depois das eleições, os jornais locais ede rede passam a ter exatamente o mesmo tempo que tinham antes", explica. "Ouvi até um boato de que o Hoje voltaria a serfeito no Rio, o que não tem a menor lógica. O Hoje vai bem emSão Paulo e continua onde está."A baixa sofrida na audiência do SP-TV 1ª edição(agora com média de 9 a 10 pontos), segundo ele, já eraesperada. Ao ser exibido 20 minutos mais cedo, o noticiárioainda pega pela frente um público infantil, de 4 a 11 anos.Durante as eleições, o SP-TV, assim como outrosjornais locais, suspenderam o quadro da bronca, que apresentavaqueixas da comunidade. Isso, para evitar que as reclamações,normalmente dirigidas a setores de administrações estaduais emunicipais, ganhassem tom de palanque eleitoral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.