Globo ganha dois prêmios Emmy

A novela 'O Astro' e a série 'A Mulher Invisível' foram anunciados em NY

O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2012 | 02h10

Duas produções da Globo saíram vencedoras na entrega do prêmio Emmy Internacional, o principal da televisão mundial, cuja cerimônia aconteceu na noite de segunda-feira, em Nova York: O Astro foi a melhor novela e A Mulher Invisível ganhou na categoria de série de comédia.

Produzida no ano passado, O Astro foi escrita por Alcides Nogueira e Geraldo Carneiro, baseada na novela homônima de 1978, de Janete Clair. Carneiro esteve presente à cerimônia e recebeu o troféu ao lado do diretor Mauro Mendonça Filho. A novela brasileira venceu na categoria duas tramas portuguesas, The Fire of the Rose e Holy Remedy, e a sul-coreana Iron Daughters-in-Law.

Já A Mulher Invisível venceu a veterana série Absolutely Fabulous e Spy, do Reino Unido, e What If?, da Bélgica, na premiação. Receberam a estatueta o diretor Claudio Torres e o roteirista Mauro Wilson. A série brasileira é baseada no filme homônimo de 2009, de Cláudio Torres, e acompanha as desventuras de Pedro (Selton Mello), que tem uma namorada "imaginária", Amanda (Luana Piovani), além da própria esposa, Clarisse (Débora Falabella)

A TV Globo concorreu em cinco das nove categorias entre as produções de entretenimento anunciadas na segunda-feira. Homens de Bem, uma coprodução da emissora com a Casa de Cinema de Porto Alegre, disputou na categoria Telefilme. Por Toda a Minha Vida, sobre o compositor Cartola, foi um dos finalistas na categoria Programas de Arte - o vencedor foi o alemão Songs of War. Já a série Planeta Extremo, exibida pelo Fantástico, concorreu a melhor Programa Não Roteirizado, mas foi derrotado por The Amazing Race, da Austrália.

Nas demais categorias, a argentina Cristina Banegas foi escolhida como melhor atriz e seu compatriota Darío Grandinetti, como melhor ator; a segunda temporada de Braquo, da França, foi eleita a melhor Série de Drama e Terry Pratchett: Choosing to Die, do Reino Unido, venceu como melhor documentário.

O fim da cerimônia foi marcado por homenagens a Norman Lear, criador da série All In The Family, dos anos 70, e a Alan Alda, protagonista da série M.A.S.H, cujo último episódio, em 1983, foi assistido por mais de 100 milhões de pessoas somente nos Estados Unidos. Ambos receberam um prêmio especial por ocasião da 40ª edição do Emmy Internacional, e foram apresentados pelo produtor Ryan Murphy, responsável pelas séries Nip/Tuck, encerrada em 2010, e Glee, que está na sua quarta temporada.

Ao contrário das últimas edições da premiação, dominadas por produções britânicas, a deste ano teve uma distribuição mais democrática. Inglaterra, Argentina e Brasil conseguiram duas estatuetas cada, enquanto Austrália, França e Alemanha conquistaram outras três. / REUTERS E EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.