Globo demora para avisar bombeiros

A Rede Globo levou 29 minutos para avisar ao Corpo de Bombeiros que um incêndio destruía o cenário do programa Xuxa Park, onde 300 pessoas participavam das gravações. O fogo deixou 26 feridos - sendo que cinco deles, em estado grave. A demora no aviso fez os bombeiros chegarem somente uma hora e cinco minutos depois de o fogo ter começado, às 20h45. "Eles demoraram a nos ligar", criticou o relações públicas dos bombeiros, coronel Jorge Lopes. De acordo com a Central Globo de Comunicação, a brigada da emissora levou menos de dois minutos para controlar o incêndio. O fogo começou no estúdio F da Central Globo de Produções, o Projac, zona oeste, a poucos minutos do encerramento da gravação de um programa especial de Carnaval, que iria ao ar em fevereiro. A apresentadora Xuxa Meneghel teria sido uma das primeiras a perceber o incêndio. Ela não se feriu e ajudou na retirada de 300 pessoas que participavam das gravações - 200 crianças e 100 adultos. Houve pânico e correria no estúdio. "O fogo durou uns 10 minutos e chegamos a ver as labaredas. Ficamos todos preocupados em retirar as crianças", afirmou o contra-regra Russo, de 69 anos, que trabalha com Xuxa há cerca de 15 anos. De acordo com o comandante do Quartel de Bombeiros de Jacarepaguá, coronel Geraldo Rodrigues, o incêndio foi de média proporção. "O problema maior é que o fogo entranhou em material inflamável do cenário e no revestimento acústico das paredes, que entraram em combustão interna, produzindo fumaça tóxica", explicou o oficial. Ele contou que a fumaça densa impedia que as pessoas enxergassem a saída, além de provocar tosse e irritação dos olhos. Na correria, uma pessoa sofreu fratura na perna e um homem teve ataque cardíaco. Entre os 26 feridos - a maioria deles por intoxicação -, pelo menos cinco estão em estado grave: o segurança particular de Xuxa Meneghel, Leonilson Vieira de Oliveira, de 47 anos, que teve os dois pulmões totalmente queimados por "inalação de gases aquecidos" e suas funções vitais estão sendo mantidas a custa de remédios, a menina Thamires Gomes Valleja, de 7 anos, que sofreu queimaduras nas pernas, braços, rosto, pescoço, tórax e vias aéreas, o menino Marcos Vinícius Ventura, de 5 anos, que sobreviveu com 40% da área do corpo queimada e Silvana Oliveira Souza, de 38 anos e Flávio Luiz Olímpio de Souza, de 16, ambos com insuficiência respiratória aguda por inalação de gases aquecidos. Marcos Vinícius é filho do mestre-salas do Salgueiro, Reinaldo Alves Teixeira, o Ronaldinho do Salgueiro, que se feriu ao salvar o menino. O garoto brincava na roda-gigante cenográfica e ficou preso no alto do brinquedo. Oliveira, que trabalha com Xuxa há 14 anos, estava ao lado de uma "nave espacial", onde acredita-se que as chamas tenham começado. Ele foi um dos últimos a sair do estúdio. "Meu irmão é uma sombra da Xuxa e gosta muito de trabalhar com ela. Só está em estado grave porque ficou até o final ajudando as crianças", contou Sandra Helena de Oliveira. Logo depois do incêndio, Xuxa esteve no Barra D´Or para ver Oliveira e só foi embora do hospital às 5 horas, muito abalada com o estado do segurança. A mulher dele, Emília Gouvea, e a mãe dele, Celina Vieira, estão em estado de choque. A Rede Globo, que se responsabilizou pelos custos do atendimento médico de todos os feridos, divulgou nota informando que os sensores de fumaça detectaram o fogo imediatamente. "Todos os sistemas de segurança funcionaram com eficiência e a operação de retirada de cerca de 300 pessoas que estavam no local aconteceu segundo as normas previstas. A origem do fogo ainda não foi determinada". O diretor do Instituto de Criminalística Carlos Éboli, Sérgio Henriques, esteve no Projac na manhã de ontem e passou duas horas periciando o local. Ele ordenou a interdição e retirada da nave para exames complementares. Ele também pediu perícia mais apurada no poço do elevador hidráulico, que movimenta a nave. "Tenho quase certeza sobre a causa do incêndio, mas não vou adiantar nada", disse aos repórteres. O estúdio F ficará interditado por tempo indeterminado. A equipe do Xuxa Park ainda não decidiu onde ocorrerão as próximas gravações, que até pouco tempo atrás costumavam ocorrer no Teatro Fênix. O juiz da 1.ª Vara da Infância e Juventude, Siro Darlan, disse que não há qualquer irregularidade na permanência de crianças no estúdio onde é gravado o Xuxa Park. "Os pais, que têm de acompanhar seus filhos nas gravações, é que decidem se há ou não risco para as crianças. A princípio, o Projac é um local seguro", disse o juiz, ressaltando que "grandes aglomerações sempre oferecem algum perigo". Darlan visitou os menores internados e garantiu que nenhum deles estava desacompanhado. Os pais de Thamires, Maria da Penha e Sérgio Lucas, disseram, no entanto, que não estavam com a menina na gravação. Ela foi ao programa com a irmã, de 16 anos. Thamires está internada no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital da Força Aérea do Galeão, na zona norte, centro de referência da América Latina no tratamento de queimados. Ela tem 34% do corpo coberto com queimaduras de segundo e terceiro graus. A direção do Hospital Barra D´Or, na zona oeste, onde estão internadas seis vítimas, informou que não há previsão de alta para os pacientes.

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2001 | 18h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.