Globo abre 2003 com "A Casa das Sete Mulheres"

Até o diretor Jayme Monjardim estava cansado da expressão "amore mio" que Thiago Lacerda vivia repetindo em Terra Nostra, de 2000, quando o ator interpretava o italiano Matteo. Mesmo assim escalou o moço para viver outro imigrante italiano: o revolucionário Giuseppe Garibaldi, protagonista da minissérie A Casa das Sete Mulheres que a Globo coloca no ar de 7 de janeiro a 4 de abril, de terça a sexta-feira, sempre às 23h. "Desta vez o público vai ver Lacerda na guerra, berrando ´Andiamo, andiamo!´ para suas tropas", garante Monjardim, que se prepara para contar a história da Guerra dos Farrapos com toques de superprodução: cada capítulo saiu pelo dobro do custo médio de um capítulo de novela das 20h, R$ 100 mil. "É o trabalho mais audacioso que já dirigi em 25 anos de carreira", diz o diretor. "Acho que tive mais trabalho para comandar aquele monte de gente nas cenas do que o próprio Garibaldi em suas batalhas". "Quase não acreditei quando olhei para trás e vi 300 homens montados, cinco canhões e barcos de 12 metros de altura!", conta o ator Tarcísio Filho, intérprete do Capitão Netto, um dos homens de confiança do líder farrapo Bento Gonçalves, que na minissérie será interpretado pelo estreante ator gaúcho Werner Schünemann. "Um pouquinho de sotaque vai trazer mais clima à história", explica Monjardim, que optou por rechear a trama com atores do Sul do País. Além de Werner, os também gaúchos Zé Victor Castiel, Marcos Barreto e Manuela do Monte estão no time dos novos rostos que o diretor fez questão de apadrinhar. "Temos dez atores chegando na tevê", diz ele. "Meu propósito é revelar pessoas de talento que há anos trabalham no meio mas ainda não foram reconhecidas." Mais anônimos ainda são os peões de Uruguaiana, no interior do Rio Grande do Sul, que também viraram estrelas ao participarem das gravações. "Ao todo recrutamos cerca de 2.500 figurantes, sobretudo homens que tivessem boa montaria", conta a gerente de produção da Globo, Cláudia Braga. Junto com seus "guerrilheiros de primeira viagem", Monjardim colocou um elenco estelar, bastante inspirado no casting de O Clone, que o diretor assinou em 2002. A primeira da lista é Giovanna Antonelli, novamente no papel de heroína. "A Jade acabou, quero que o público a esqueça", avisa a atriz que teve de passar os últimos três meses freqüentando aulas de esgrima, luta e montaria para encarnar Anita Garibaldi, uma das pontas do triângulo amoroso da história. Em outro vértice está Thiago Lacerda. Na pele de Garibaldi, o ator vai mostrar a luta do lendário italiano pela causa separatista dos gaúchos, sem, é claro, perder a pose de galã. "Garibaldi vai descobrir nos campos de batalha que Anita é a mulher ideal para ele, uma companheira de verdade", diz Lacerda. Para disputar o amor do bonitão com Giovanna, Monjardim escolheu a novata Camilla Morgado, que debuta na tevê como a doce Manuela. "É mais eficiente e interessante abordar a história do nosso País falando de emoção e dos dramas humanos que permeiam os fatos históricos", argumenta a dramaturga Maria Adelaide Amaral, que divide com Walter Negrão a autoria do roteiro de A Casa das Sete Mulheres, inspirado na obra homônima de Letícia Wierzchowski. São de Manuela os olhos que Monjardim tomou emprestados para mostrar a guerra sob a ótica das mulheres, que não conheceram os campos de batalha mas tiveram de travar uma luta de dez anos contra a angústia de esperar pela volta definitiva de seus homens. "Narrar uma história como essa é uma responsabilidade muito grande, mas eu procuro não pensar nisso", diz Camilla, que tem no currículo dez anos de experiência teatral nos palcos do Rio. "Confio no Jayme, se ele me escolheu para este papel, deve achar que estou pronta".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.