Glauco Matoso declama no Memorial

Desde que ficou completamente cego, há 5 anos, Glauco Espermatoso emudeceu dentro de uma profunda crise pessoal. Mas sua língua afiada não resistiu a tal reclusão. E num êxtase profundo o poeta declama de uma vez só 300 sonetos e poemas inéditos, com a participação de Joca Reiners Terron, no Memorial da América Latina, dia 30. Ao publico avisa: seus fetiches pelo pé (e o chulé) continuam. Conhecido também como Pedro o podre, pedravski, puttisgrilli ou pedlo, o glande, artista maldito, o poeta planeja para o fim deste ano uma antologia poética e uma página na internet. Poetas na Biblioteca ? Recital de Glauco Mattoso Memorial da América Latina - Biblioteca Latino-Americana Victor Civita Rua Auro Soares de Moura Andrade, 664 Barra Funda Portões 2 e 5 Fone 3823.9611 Entrada franca. Dia 30/08, às 20 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.