Gillian Anderson é estrela de série policial

Os psicopatas e criminosos voltaram a ficar na cola de Gillian Anderson, mas ela não está nem um pouco preocupada. A atriz, que ficou dez anos no papel da agente Dana Scully de Arquivo X e participou de parte dos episódios da primeira temporada de Hannibal - ainda em exibição no AXN, vive uma funcionária da polícia metropolitana de Londres escalada para investigar assassinatos em Belfast, na Irlanda do Norte, em The Fall, série de cinco capítulos que ficará disponível na locadora virtual Netflix a partir de quarta-feira.

O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2013 | 02h10

Apesar de ter tido diferentes papéis ligados a mortes estranhas, a norte-americana garante nunca ter tido pesadelos. "Na maior parte do tempo em que leio os roteiros ou estou gravando é durante o dia. Quando você entra isso, para uma atriz com experiência, vira um processo técnico. O aspecto perturbador você consegue separar. Não me sinto afetada. Quando comecei em Arquivo X, o único momento em que ficava assim era quando lia os roteiros. Em Hannibal, a relação dela com ele é muito separada, ela não sabe o que se passa com ele. É como se fosse um outro compartimento. A vida real tem aspectos mais perturbadores", disse ao Estado em uma teleconferência com jornalistas brasileiros.

Mesmo abordando o mesmo universo, Gillian afirma que o novo trabalho não se assemelha aos anteriores. "A diferença do The Fall é que acompanhamos os serial killers ao mesmo tempo que vemos o trabalho dos investigadores em descobrir quem são eles. Isso ainda não havia sido feito antes. Vemos a vida de um assassino com a mulher, ele levando os filhos para a escola. Um deles é um tipo de psicólogo. É a banalidade do mal, uma maneira de ver nós mesmos em um serial killer de algum jeito."

A atriz diz que não tem um apego especial por séries policiais. "Eu gosto mais do material. Já recebi coisas muito mais obscuras do que essa história. Isso não me prende tanto, mesmo que seja perturbador. É um thriller psicológico. Houve muita pesquisa sobre o comportamento de um assassino. Não é só para atrair o público que gosta de terror. Acho minha personagem intrigante", defende ela.

Segundo ela, a experiência no nicho não a deixou mais esperta para solucionar os crimes antes de terminar a leitura dos roteiros. "O que aprendi depois de estar nessas séries é que você nunca sabe nada. Nem os autores sabem. As coisas podem ser escritas de acordo com a reação do público, ou tudo muda se uma atriz ficar grávida. Eu encaro cada capítulo de uma vez. Não penso no que pode acontecer no futuro. Em The Fall, tenho ideias e falo com os produtores. Isso pode mudar dez vezes enquanto gravamos", explica a atriz.

Produzida pela BBC e exibida no canal BBC2, no Reino Unido, The Fall será transmitida exclusivamente pela internet no continente americano. "A série foi feita para BBC e, no meio do processo, o Netflix apareceu. É o melhor veículo para um programa assim, é um marco para as séries serem acessíveis em todo o mundo", analisa Gillian Anderson. / J.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.