Gilberto Gil discute mudança na Lei Rouanet

O governo quer mudar a Lei Rouanet, que concede incentivos fiscais ainvestimentos em cultura, e vai propor alterações ao Congresso ainda este ano. A idéia é diminuir a concentração dos recursosno eixo Rio-São Paulo. Dos R$ 385 milhões captados no ano passado, a maior arrecadação já registrada, 76% foram aplicadosna Região Sudeste.O ministro da Cultura, Gilberto Gil, apresentou nesta quinta-feira as linhas gerais da mudança a um grupo de seis senadores de diversospartidos, em almoço na casa da senadora Roseana Sarney (PFL-MA). Segundo Gil, a proposta é resultado de 16 debates com produtores culturais no ano passado, quando foram definidos 11 pontospara orientar as modificações. A desconcentração e a democratização do acesso aos recursos são dois deles. O ministro tratou também da proposta de criação da Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual (Ancinav), que deverá serenviada ao Congresso até junho.O almoço foi organizado pelo líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), que acabou não comparecendo porqueprecisou acompanhar o depoimento do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, no Senado. Roseana, a dona da casa,disse que os programas culturais estão acima de eventuais divergências partidárias. Segundo ela, as propostas levadas por Gil tiveram boa acolhida, embora o encontro tenha sido bastante informal, sem quenenhum projeto por escrito tenha sido apresentado. Nas próximas semanas, o ministro deverá ter encontros semelhantes comdeputados e empresários.Participaram os senadores Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), Saturnino Braga (PT-RJ), Eduardo Siqueira Campos(PSDB-TO), Patrícia Saboya (PPS-CE) e Ney Suassuna (PMDB-PB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.