Gil e Gushiken discutem fundo de apoio à cultura

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, reúne-se na hoje em Brasília com Luiz Gushiken, ministro de Comunicação de Governo e Gestão Estratégica da Presidência. No almoço, marcado para as 13 horas, eles deverão discutir a utilização de verbas publicitárias das estatais na criação de um fundo para a cultura.Com pouco dinheiro para trabalhar este ano, Gil procura reforçar o orçamento do ministério com parte dos recursos centralizados pela Comunicação de Governo, estimados em cerca de R$ 600 milhões. O estudo, segundo a assessoria de Imprensa do MinC, é um projeto do próprio governo e não coloca como antagonistas Gil e Gushiken - este último já tivera reunião com o ministro da Cultura em janeiro para tratar do assunto, segundo disse Gil ao Estado no dia 31.Os contatos de Gilberto Gil pelos diferentes ministérios é uma estratégia em progresso. Na semana passada, ele teve audiência como o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, para apresentar seu projeto de criação de um Loteria Cultural, que pode render cerca de R$ 200 milhões para o Ministério da Cultura investir em projetos culturais.Na audiência, segundo a assessoria de Comunicação, o ministro da Cultura foi informado por Palocci que o Banco do Brasil e a Caixa Econômica manifestaram interesse em investir na recuperação do patrimônio histórico de Ouro Preto (MG), por meio de patrocínios.Quanto à Loteria Cultural, técnicos dos ministérios da Cultura, da Fazenda e da Caixa Econômica devem se reunir em breve para "definir aspectos legais do programa, prazos e adequação". Inspirada em modelo já adotado na Itália e nos Estados Unidos, a loteria terá 40% do valor arrecadado transferido para o MinC e o restante será destinado ao sistema operacional (prêmios e estrutura) e mídia.Também na semana passada, o ministro reuniu, pela primeira vez em sua gestão, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que analisa os projetos a serem incentivados pelo governo. "A Comissão Nacional de Incentivo à Cultura será uma ferramenta estratégica para a gestão e ação deste ministério", disse o ministro. Na reunião, Gil ressaltou, também, o propósito de fortalecer os mecanismos que compõem a política cultural brasileira. "O caráter deliberativo da CNIC será restituído", disse ele, sob aplausos dos presentes.Durante a reunião foram analisados 445 projetos culturais, sendo 132 da área do patrimônio, museus e artes plásticas; 203 projetos de música e artes cênicas; 40 projetos do audiovisual e 70 do livro e leitura. Somente os projetos aprovados pela CNIC podem reivindicar os benefícios da Lei Rouanet, que permite que patrocínios e doações de empresas e pessoas sejam abatidos do Imposto de Renda.Apesar da grande atividade política, Gil não descuida da carreira. Logo depois do carnaval, sai seu novo disco, Kaya ao Vivo, gravado nos dias 27 e 28 de dezembro no Teatro João Caetano.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.