Gil diz que os que votaram contra CPMF puxam Brasil 'para trás'

'Não acredito que seja possível erguer no Brasil uma República sem um Estado democrático', discursa Gil

Jotabê Medeiros, de O Estado de S. Paulo,

19 de dezembro de 2007 | 19h23

No lançamento do Conselho Nacional de Políticas Culturais, na tarde desta quarta-feira, 19, em Brasília, o ministro da Cultura, Gilberto Gil, fez críticas duras aos congressistas que votaram contra a CPMF, acusando-os de querer "puxar o Brasil para trás", e também contra os que defendem o "Estado mínimo", uma referência velada ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. "Não acredito que seja possível erguer no Brasil uma República sem um Estado bem equipado e democrático", discursou Gil. "O Estado foi e continua sendo o mais amplo contrato social vigente no mundo. Uma República sem Estado, ou com estado mínimo, como alguns defendiam na década passada, não teria como garantir direitos e corrigir desigualdades. Foi o que vimos no passado. Uma república sem Estado é como aquela encenada no filme brasileiro Tropa de Elite, uma falsa república, feita de armas, cordões de isolamento, uma república vestida de preto, de luto, feita de violência e baseada num setor público desmontado. Ou seja, um país não republicano." Gil questionou os parlamentares que apontam aumentos de gastos do governo com políticas sociais. "Ao chamar os investimentos que planejamos de ‘gastos’, tentando tirar legitimidade de políticas públicas e suprimi-las de vez da ação do Estado, forças políticas do país tentam puxar o Brasil para trás. Tentam, mas não conseguem e não conseguirão. Acredito que aqueles que publicamente vetaram a CPMF vão ser lembrados historicamente - nem tanto pela CPMF - mas pelas teses equivocadas que foram proferidas para embasar essa decisão contra a cidadania dos brasileiros. Não votaram contra a CPMF - afinal, isso foi uma criação deles. Votaram sim contra uma ação de Estado que se fortalece no enraizamento social; que se fortalece ao construir um novo modelo de desenvolvimento com a inclusão de milhões de brasileiros; que se fortalece ao construir políticas públicas por meio de instituições representativas e democráticas como esta."

Tudo o que sabemos sobre:
Gilberto GilCPMFcultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.