Gil critica número pequeno de modelos negros na SPFW

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, em visita à São Paulo Fashion Week, na noite de sábado, revelou um lado de ''guerrilheiro fashionista'' que quase nunca mostra. Ele comentou, por exemplo, sobre o pequeno número de modelos negras na passarela. "É pequeno, como é pequeno o número de negros nos quadros das universidades, no mundo político. Isso acontece por força da escravidão, como o assinalaram Joaquim Nabuco e Caetano Veloso. Vivemos numa segunda abolição, que ainda não se deu plenamente." Ele também se disse favorável ao manifesto da estilista inglesa Vivienne Westwood, de 67 anos, participante da SPFW, contra o consumismo desenfreado. "A ameaça ecológica vem de um produtivismo exagerado", concordou. O ministro defendeu a liberação das leis de incentivo à cultura para a indústria da moda, assim como falou na necessidade da criação de um fundo especial para fomentar e incentivar os designers do setor. Ele falou sobre o avanço da moda no País, e de como esse avanço já tem um reconhecimento do Estado brasileiro. Gil, falando de sua própria relação pessoal com a moda, confessou-se um homem ''vaidoso'', profundamente ligado ao mundo fashion. ''Eu adoro. Eu sou vaidoso. A elegância é uma diversão que sempre permeou minha vida desde a infância. Ser elegante não é exclusividade de um grupo, de uma classe social. Um índio pode ser extremamente elegante. Como elegantes são os negros da Bahia, do Ilê Aiyê, dos Filhos de Gandhy'', afirmou Gil. CD Em seguida, armou uma pequena arapuca para os repórteres que o entrevistavam. "Essa semana, em Salvador, eu usei durante o show uma calça do dia a dia dos meninos do candomblé, a calça que uso no terreiro de Opô Afonjá, em Salvador", disse. "Minha moda vai disso até um terno Prada como esse aqui", afirmou, mostrando o paletó na cadeira. A platéia fez um ''uuuhhhhhhh'' sonoro, de regozijo. Mas ele zombou da reação. "Vocês fazem uuuhhh porque essa ainda é uma marca colonizada de nossa reação à moda. Um terno Prada não é mais elegante que um turbante do Ilê Ayê ou dos Filhos de Gandhy." Gil contou que já entra em estúdio em fevereiro para gravar seu primeiro disco só de inéditas, já intitulado Banda Larga, que deverá ser lançado em junho. Antes do lançamento do CD, Gil afirmou que músicas e vídeos já estarão disponíveis no Youtube. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

21 Janeiro 2008 | 11h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.