JB Neto/AE
JB Neto/AE

Gianecchini se emociona em reestreia no teatro com a peça 'Cruel' em SP

Famosos como o apresentador Marcos Mion, e os atores Leonardo Miggiorin, Rafael Almeida e Norival Rizzo também foram prestigiar a reestreia

Nathália Nhan, do estadão.com.br,

14 de março de 2012 | 02h09

SÃO PAULO -  Após uma interrupção de nove meses para esperar Reynaldo Gianecchini se recuperar de um linfoma não Hodgkin de células T - um tipo raro de câncer que atinge as células de defesa do organismo -, a peça Cruel voltou ao Teatro FAAP na noite desta terça-feira, 13. "Se ele não voltasse, não haveria mais a peça", confessou o diretor, Elias Andreato, que se emocionou ao falar de Gianecchini. "Hoje é dia de festa, estamos comemorando". 

 

No saguão do teatro, muitas pessoas, entre imprensa, convidados e fãs de Gianecchini, aguardavam ansiosas para ver o retorno do ator aos palcos. A empregada doméstica Tânia Cristina era uma delas. "A expectativa pela volta do Gianecchini é muito grande, pois ele lutou (contra o câncer) e venceu. Nós viemos para ver o seu retorno", afirmou.

 

Famosos como o apresentador Marcos Mion, e os atores Leonardo Miggiorin, Rafael Almeida e Norival Rizzo também foram prestigiar a reestreia. "Eu já vi a peça. Eu vim pra ver o Giane e participar disso que não é simplesmente um espetáculo, é um ritual. Todas as pessoas que gostam dele estão aqui ", afirmou Rizzo, amigo de Gianecchini que contracenou com ele em Sua Excelência, o Candidato no teatro, em 2006.

 

Quando a sessão começou, bastou uma fala de Gianecchini para que a plateia já o aplaudisse de pé. Ele riu, mas disfarçou, como se fosse por causa da cena. Após uma pequena pausa, seguiu com a encenação. Mais tarde, o ator arrancou muitas risadas da plateia. Durante uma cena em que é perguntado ao seu personagem se ele "mudou muito", o ator se olha no espelho, passa a mão na cabeça e diz, "é, um pouco", mostrando que agora está calvo, devido ao tratamento da doença.

 

 

Ao final do espetáculo, Gianecchini se emocionou diversas vezes ao se pronunciar. "Meu coração não cabe mais de tanta gratidão", disse. Chorando, o ator agradeceu sua mãe, Heloísa Gianecchini, a quem chamou de "ser iluminado, com o coração mais lindo que já vi na vida". Da plateia, comovida ao lado das irmãs do artista, ela retribuía jogando beijos ao filho. O ator, mais uma vez emocionado, também agradeceu aos médicos que cuidaram dele enquanto ficou internado no Hospital Sírio Libanês. "Vocês fazem parte da história da minha vida".

 

Cruel é uma peça do renomado autor sueco August Strindberg (1849-1922) e ainda conta com Erik Marmo e Maria Manoella no elenco. Segundo informações da bilheteria, o espetáculo deve ficar em cartaz no Teatro FAAP até o final de maio e já restam poucos lugares para as próximas sessões.

 

Cruel - Teatro FAAP. Rua Alagoas, 903 - Higienópolis

Segundas e terças-feiras, às 21h, R$ 60 (inteira)

Sesssão extra nesta quarta-feira, 14, às 21h

Tudo o que sabemos sobre:
FAAPReynaldo Gianecchiniteatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.