Gesto de Gerald Thomas vira caso de polícia

A polícia carioca recebeu ordempara investigar se o gesto do diretor Gerald Thomas, que abaixou as calças e mostrouo traseiro à platéia do Municipal carioca em resposta às vaiasrecebidas pela sua produção da ópera Tristão e Isolda,constituiu ou não ato obsceno. De acordo com a Polícia Civil doRio, o objetivo é averiguar se o gesto tinha relação com amontagem ou se foi simplesmente um desrespeito ao público. Segundo o delegado Geraldo Cruz Ribeiro, da 5.ª DP, serãoouvidas pessoas presentes à estréia, no sábado à noite.O diretor Gerald Thomas, ao participar do Programa do Jô, da Rede Globo, na segunda-feira, fez uma retratação pública e disse ao apresentador Jô Soares que estava arrependido pelo ato e que lamentava ter feito com que a orquestra e a ex-secretária de Cultura e presidente do Municipal Helena Severo se sentissem desrespeitados.No programa, Thomas disse que não foi fácil ouvir da platéia que "eu era um judeuzinho histérico que deveria voltar para o campo de concentração. Meu sangue esquentou ouvindo esses neonzistas aficcioados por Wagner".Já em sua coluna de ontem no Jornal do Brasil, entitulada Um apagão na cultura e escrita na forma de uma carta ao poeta Haroldo de Campos morto no sábado, Thomas escreveu: "Saiba Haroldo, que aquele meu "terrível ato transgressor" que parece ter chocado tanta gente pelo suposto mau gosto, foi em homenagem a você e usando um conselho seu - quando te agredirem com uma bola de gude venha logo com três granadas de uma vez".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.