Gelman lembra mazelas do mundo ao receber prêmio Cervantes

Em seu discurso, poeta argentino afirma que a poesia 'está de pé contra a morte' nestes 'tempos de penúria'

Ansa,

23 de abril de 2008 | 11h42

Ao receber o Prêmio Cervantes 2007 nesta quarta-feira, 23, o poeta argentino Juan Gelman disse que a poesia "está de pé contra a morte" nestes "tempos mesquinhos e de penúria". Em seu discurso, Gelman lembrou as mazelas do mundo e defendeu a limpeza do passado humano. O Cervantes é considerado o mais importante prêmio literário concedido a autores de língua espanhola.   O poeta recebeu o prêmio das mãos do rei Juan Carlos, em uma cerimônia celebrada na Universidade de Alcalá de Henares e que coincide com o aniversário da morte de Miguel de Cervantes - também Dia do Livro na Espanha. Diversas personalidades da cultura e da política, como o premier espanhol reeleito José Luis Rodríguez Zapatero, assistiram ao evento.   No discurso, Gelman lembrou as crianças que morrem de fome no mundo, as mortes no Iraque e em Hiroshima, assim como as 30 mil pessoas desaparecidas na ditadura argentina.   "Dizem que não se deve remoer o passado, que devemos olhar para frente e não reabrir as velhas feridas. Estão muito equivocados. As feridas não estão fechadas, seu único tratamento é a verdade. Há que se limpar o passado", disse o poeta argentino, nascido em Buenos Aires em 1930.   As palavras de Gelman emocionaram sua neta Macarena, cuja mãe continua desaparecida e cujo pai foi seqüestrado e assassinado pelas ditaduras do Uruguai e da Argentina, durante o Plano Condor, a repressão articulada entre os regimes militares do Cone Sul.   O rei espanhol destacou em Gelman "seu vigor incomparável para lutar contra a adversidade" e o definiu como "um dos mais valiosos poetas dos últimos tempos".

Tudo o que sabemos sobre:
Juan Gelmanprêmio Cervantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.