Geldof defende ampliação no uso da energia nuclear

O ex-roqueiro Bob Geldof, que participade campanhas de combate à fome, aderiu ao debate sobre oaquecimento global defendendo, na quinta-feira, uma ampliaçãoimediata no uso da energia nuclear e descrevendo as fontesrenováveis de energia como uma resposta "de faz-de-conta" àcrise climática. A opinião do irlandês, conhecido por fazer campanhas decombate à miséria na África, foi divulgada por meio de um blogcriado pela montadora de carros Lexus para promover olançamento de veículos híbridos. "A realidade é que precisamos fazer muito mais do que mudaro tipo de carro que dirigimos a fim de provocarmos um impactonas mudanças climáticas. Na Grã-Bretanha, logo teremos de nosmobilizar para usar mais energia atômica", escreveu Geldof. "Nesse aspecto, não me importo com o que os outros digam:vamos ter de aderir a isso, de mala e cuia. Podemos flertar como vento, as ondas ou outras fontes renováveis de energia,tentando torná-las sustentáveis. Mas elas não o são. Essas sãofontes de faz-de-conta", acrescentou. Os comentários não devem render-lhe elogios dosambientalistas, que condenam a energia nuclear por considerá-lapoluente, perigosa e cara. Já o setor de energia atômica diz ser, pelo menos, umaparte importante da resposta ao aquecimento global provocadopela emissão de gases do efeito estufa produzidos na queima decombustíveis fósseis na geração de energia e no setor detransportes. Representantes de governo e especialistas do mundo todoreunidos atualmente na Indonésia não conseguiram ainda chegar aum acordo sobre as diretrizes que devem pautar um processo denegociações de dois anos ao final dos quais o mundo assinariaum pacto de combate ao aquecimento capaz de substituir oProtocolo de Kyoto. O protocolo impôs metas compulsórias de redução nasemissões para todos os países industrializados, com a exceçãodos EUA, e vigora até 2012.

REUTERS

13 de dezembro de 2007 | 12h06

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEGELDORFNUCLEAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.