Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Gay

Eu tava com viagem marcada pros EUA e agora que o casamento gay foi liberado por lá, não sei direito o que fazer. Se eu for pra lá eu sou obrigado a casar com um gay, é isso? Mas, no caso, eu não sendo gay, eu sou obrigado a virar gay? Eu não saberia nem por onde começar. Ou, de repente, é uma coisa natural, entrou lá e o vírus gay entra no seu organismo pelo ar e, quando eu for ver, já estou beijando homens e adotando crianças? Eu não sei exatamente como proceder.

Fábio Porchat, O Estado de S. Paulo

28 de junho de 2015 | 02h00

Eu não sei ser gay. O que que eles comem? Eu adoro purê de batata. Gay come purê? Eu ia sentir tanta falta de purê. Eles assistem a filmes para gays? Eu vou ter que ler livros de autores gays, é isso? E essa liberação permite que os gays me persigam nas ruas, querendo pegar no meu pênis? Se um gay me emboscar no Central Park e quiser transar comigo, ele tem esse direito, agora? Eu fico com medo do que eles podem fazer comigo. 

Esse direito que eles vão tendo de serem gays é perigoso. E os gays casando, isso impede os heterossexuais de se casarem? É tipo uma coisa que só os gays podem fazer agora? Se eu vir um casal de gays andando na rua de mãos dadas, eu também tenho que dar a minha mão pra eles e caminhar com eles até o lugar que eles vão me levar para me transformar em gay? E eu falo o que pra minha mulher? Ou, de repente, eu a levo pra lá e ela vira gay também. 

Como será que as pessoas normais estão lidando com isso por lá? Será que a vida dos heterossexuais foi completamente abalada por causa dessa ditadura gay? Tadinhos, estavam lá, vivendo a vida tranquilamente e agora, do nada, vai todo mundo ser gay. Dúvida: quando eu voltar pro Brasil eu desviro gay? Eu volto a gostar de mulher? Ou é uma coisa irreversível? 

Essa coisa de viajar tá cada vez mais complicada. Porque pra alguns lugares eu já nem levo mais a minha mulher, tipo onde o aborto é permitido. Imagina se ela tá grávida, sai na rua e abortam ela. E se, por acaso, ela não estiver grávida, será que eu sou obrigado a engravidá-la para eles poderem abortar o nosso filho? A população recebe abortivos gratuitos pela rua que nem camisinha aqui? 

Às vezes, você tá comendo uma empadinha e ela te aborta. O mundo tá realmente um perigo. Acho melhor ficar pelo Brasil mesmo, até porque esse dólar não para de subir e aqui os gays não te obrigam a nada. Por enquanto. 

Por isso que eu voto no Bolsonaro, no Feliciano, porque eles impedem que o câncer gay atinja nosso país. Agora, deixa eu ir que eu vou ver Priscila - A Rainha do Deserto lá no Netflix para eu decidir se viajo mesmo ou não.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.