Gaudí não morreu pobre

A descoberta do testamento de Antoni Gaudí - criador da Igreja Sagrada Família em Barcelona - mostra que o arquiteto não morreu pobre, como estava sendo divulgado desde sua morte em 1926. Seu patrimônio estava orçado em US$ 73 mil, afirma uma reportagem publicada hoje no jornal "La Vanguardia". A descoberta ocorreu graças a cópia do testamento encontrada nos arquivo eclesiástico. Gaudí, que morreu aos 74 anos, possuía uma mansão no Parque Güell de Barcelona, uma casa de campo, terrenos e dinheiro aplicado. A cópia original, elaborada pelo arquiteto em 1911, foi perdida em um incêndio, provocado por um anarquista em 1936, que destruiu a instituição onde o documento estava guardado.A obra de Gaudí foi muito criticada na Espanha. Mas hoje ele é tido como o primeiro "arquiteto ecológico".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.