Gatão de Meia-Idade vira livro e se prepara para a telona

Depois de desfrutar do sucesso de Radical Chic, arquétipo da mulher contemporânea, o cartunista Miguel Paiva, 54, encontrou, em si, inspiração para discorrer sobre os dramas masculinos. Assim nasceu o Gatão de Meia-Idade, personagem das tiras que acaba de virar livro, Cama de Gato - Histórias de Cama do Gatão de Meia-Idade (Ed. Globo, 168 págs., R$ 28). E está prestes a virar filme: nesta semana, foram filmadas as últimas cenas de uma comédia protagonizada por Alexandre Borges. No filme, Borges vive Cláudio, um pai divorciado que se esforça para voltar ao mercado (o dos relacionamentos). O personagem, como pode acontecer com qualquer homem maduro, caminha na linha de fronteira entre o charmoso e o ridículo. Mas o que define que quarentão vai virar "tiozinho", como naquele comercial de refrigerante, e a qual o tempo vai atribuir ares de Richard Gere?"O grande problema é que o homem não sabe viver sozinho", analisa Paiva, criador do personagem (e homem cinquentão). "Diferente da mulher, o homem precisa de elementos externos para auto-afirmação. Precisa conquistar, realizar...", diz.Miguel Paiva, que admite ter sido "muso" inspirador de si mesmo durante a criação do Gatão de Meia-Idade, se casou, na vida real, com Ângela Vieira, a atriz que personificou a beleza da mulher madura na novela A Idade da Loba (1995)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.