Garotinha de Lewis vira uma jovem mulher

, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2010 | 00h00

 

Richard D. Zanuck, filho do lendário Darryl Zanuck (megaprodutor da Fox nos anos 1950 e 60), é ele próprio uma lenda de Hollywood. Richard produziu os dois primeiros filmes de Steven Spielberg, A Louca Escapada e Tubarão, e os cinco últimos de Tim Burton, incluindo Alice no País das Maravilhas, que estreia amanhã, à 0h01. Zanuck ganhou o Oscar de melhor filme por Conduzindo Miss Daisy. Com um currículo desses, ele não é do tipo que foge a perguntas como "qual o seu filme favorito?". Em se tratando de Burton, não vacila. É Sweeney Todd, o Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet.

Zanuck não ficou decepcionado com a fria acolhida para o musical com Johnny Depp? "Era um filme muito adiante de sua época." E Alice? Foi por medo das acusações de pedofilia, tradicionalmente feitas ao autor, Lewis Carroll, que Burton decidiu aumentar a idade da garotinha que cai na toca do coelho, transformando-a numa jovem mulher? "Foi uma decisão criativa dele com a roteirista Linda Woolverton. Não cabia a mim contestar. Mas não houve pressão. Na verdade, a decisão de produzir Alice veio do estúdio. A Disney, que havia feito uma famosa versão animada, queria recontar a história em live action. Tim (Burton) sempre gostou do livro. É um grande artista. Não se diz a Tim como deve fazer um filme. Ele pode ter fugido à pedofilia, mas a conotação sexual permanece. Alice cai no buraco depois de ouvir a proposta de casamento do pretendente que vai recusar."

Live action. Alice custou cerca de US$ 200 milhões. É um filme caro, mas as próprias circunstâncias assim o exigiam. Muito diferente de Conduzindo Miss Daisy. "Aquele foi um filme difícil de produzir. Ninguém queria colocar dinheiro na história de uma velha dama judia e seu motorista negro. Mas isso é Hollywood. Depois, todos os executivos de estúdios me diziam que deveriam ter-se associado ao projeto. Conduzindo Miss Daisy era bom porque foi feito com pouco dinheiro. Alice exigia muito dinheiro para ser bem-feito." Foram três anos de trabalho intenso. "As pessoas não fazem ideia dos desafios técnicos e artísticos que Tim se impôs. Filmamos as cenas em live action do começo e do fim durante dez dias na Inglaterra, depois foram 40 dias de estúdio, com fundo verde, em Culver City (EUA). Não creio que outro filme, nem Avatar, colocasse tantos problemas - atores, motion capture e efeitos digitalizados nas mesmas cenas. E o problema das dimensões de Alice. A técnica está muito desenvolvida, mas foi muito difícil de fazer."

Carey Villegas que o diga. Considerado um dos maiores supervisores de efeitos especiais de Hollywood, ele trabalha na empresa Imageworks desde 1999. Villegas responsabilizou-se pelos efeitos de uma só personagem, mas ela é essencial na trama, a Rainha Vermelha. "Tim é um artista completo, que desenha muito bem. Queríamos usar seus desenhos e o tom caricatural que imprimiu à personagem, mas aumentar a cabeça de Helena Bonham Carter exigiu muito trabalho e tecnologia. Usamos uma câmera especial e, às vezes, a digitalização foi feita quadro a quadro. Num filme da qualidade visual de Alice, a Rainha Vermelha não poderia ser menos do que perfeita. Fizemos nossa parte, mas não teria funcionado se não fosse a interpretação sensacional de Helena." / L.C.M.

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

Nome original: Alice in Wonderland. Direção: Tim Burton.

Gênero: Fantasia (EUA/2010, 108 min.). Censura: 10 anos

Trailer. Veja trechos de Alice no País das Maravilhas no site

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.