García Márquez, para o público infanto-juvenil

Um velho com asas enormes cai do céu depois de não resistir a uma violenta tempestade. Apesar de duvidar de sua condição de anjo ("Mais parecia uma galinha decrépita"), Elisenda e Pelayo, casal que abriga o ancião, não resiste à tentação e decide vender ingressos às pessoas interessadas em conhecer o estranho senhor, em busca de milagres. A descrição dos tipos que formam uma romaria atrás de uma graça permite a descoberta do estilo criativo do escritor colombiano Gabriel García Márquez, autor de "Um Senhor Muito Velho com umas Asas Enormes", um dos seis livros que a editora Record está lançando, dedicados principalmente ao público infanto-juvenil.A idéia é engenhosa: selecionar histórias da volumosa obra de García Márquez que se encaixassem em livros finos (todos têm 32 páginas) e, principalmente, transmitissem a atmosfera sombria e fantástica do escritor. Tais linhas básicas permitiram a formação involuntária de uma mini-coleção - além de "Um Senhor Muito Velho...", outro trecho de "A Incrível e Triste História de Cândida Erêndira e Sua Avó Desalmada" permitiu a confecção de "A Última Viagem do Navio Fantasma". Os outros quatro livros tiveram como fonte "Doze Contos Peregrinos" ("Maria dos Prazeres", "O Verão Feliz da Senhora Forbes" e "A Luz como Água") e de "Os Funerais da Mamãe Grande" ("A Sesta de Terça-Feira"). Todos os volumes estão à venda pelo preço único de R$ 15 cada um.A seleção aconteceu em 1999 e o Brasil é um dos primeiros países (junto da China) a editar os livros em outra língua que não o espanhol. A confecção das brochuras recebeu um tratamento especial na edição, e foi feito na Itália. Tamanho cuidado buscava uma aprimoramento gráfico que, além da escolha certa de letras grandes, privilegiasse as ilustrações da espanhola Carme Solé Vendrell.Artista plástica respeitada e com diversos prêmios em festivais europeus, Carme permitiu que cada livro adquirisse uma aparência própria e se desprendesse da fonte original. Na triste história do velho com asas, por exemplo, ela ilustrou a narrativa com esboços e desenhos de traços indefinidos, que permitem vislumbrar a "sobrenatural paciência" do pobre ancião como observa García Márquez. A importância conquistada pelo trabalho da artista plástica é reconhecida nas capas das obras, em que seu nome figura ao lado do escritor.O conjunto de seis livros possibilita uma perfeita iniciação na obra de Gabriel García Márquez, premiado com o Nobel em 1982 e que se tornou referência na literatura conhecida como mágica ou fantástica. Ou seja, aquela que retrata algo absolutamente real que é, ao mesmo tempo, completamente absurdo. Sobre o assunto, aliás, Gabo, como é conhecido, tem uma frase articulada: "A primeira condição do realismo mágico, como o seu nome indica, é que seja um fato rigorosamente certo, mas que pareça fantástico".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.