Gap é acusada de usar trabalho escravo

Um grupo de estudantes americanos quer aproveitar atemporada de Natal para atacar a marca de roupas Gap. A UnitedStudents Against Sweatshops está publicando anúncios em jornaise fazendo campanhas nas principais universidades americanasreforçando as alegações de que a empresa utiliza trabalhosemi-escravo em fábricas de países como El Salvador e África doSul. De acordo com o porta-voz do grupo, a Gap tem uma políticade proibir a organização de seus trabalhadores em sindicatos ?para não precisar concender benefícios. A marca não comenta acampanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.